Crise na Venezuela

Maduro diz que UE se associou ao "golpismo" e ouviu apenas parte da Venezuela

Nicolás Maduro diz que a União Europeia abandonou os imigrantes europeus no país.

O Presidente venezuelano considerou esta terça-feira que a União Europeia (UE) tem de ratificar a sua política sobre a Venezuela porque "se associou de forma acrítica" ao "golpismo" fomentado pelo Presidente norte-americano e apenas escuta uma parte do país.

PUB

"A UE tem de aprender a escutar todo o país e (...) ratificar a sua política sobre a Venezuela", sublinhou Nicolás Maduro em entrevista divulgada pelo canal Euronews, na qual critica repetidamente a cobertura, na sua perspetiva parcial, dos 'media' internacionais sobre a crise no seu país.

Maduro recordou que na Venezuela vivem quase um milhão de pessoas com nacionalidade de algum país europeu -- em particular espanhóis, italianos e portugueses -- e afirmou que "abandonaram aqui os seus imigrantes", com a atitude demonstrada pelos países europeus.

A maioria dos Estados-membros da UE, à semelhança dos Estados Unidos, reconheceram como presidente legítimo da Venezuela o líder da Assembleia Nacional, o opositor Juan Guaidó.

No entanto, para Maduro, "na Venezuela existe apenas um único presidente constitucional", numa referência ao seu estatuto, e disse que "o golpe de Estado fracassou", atribuindo essa responsabilidade a Donald Trump e às elites dos EUA, apenas interessadas "em apropriarem-se" das riquezas do país.

Nicolás Maduro considerou ainda que os conselheiros do seu homólogo norte-americano levaram Trump a um beco sem saída, mas quando sair dessa posição a Venezuela vai estar disponível "para um diálogo construtivo para relações de respeito".

Ao ser questionado sobre a possibilidade de estabelecer um diálogo com Guaidó, considerou que "a oposição vai muito mais além do títere que colocaram".

Nas declarações, acusou Washington de ter impossibilitado a concretização em 2018 das estruturas de diálogo que se tinham negociado com mediação internacional e assegurou estar "pronto para dialogar com a oposição no seu conjunto ou com a oposição por partes, quando seja e onde seja".

Maduro definiu ainda a utilização da ajuda humanitária "como uma forma de humilhar" o seu país, porque estão a prometer uma assistência alimentar de 20 milhões de dólares (17 milhões de euros) quando congelaram à Venezuela mais de dez mil milhões de dólares em contas no exterior no âmbito das sanções.

Assegurou ainda que nas colunas enviadas pelos Estados Unidos que aguardam na Colômbia autorização para cruzar a fronteira há "comida contaminada" por químicos, adiantando que algumas pessoas nesse local de armazenamento já ficaram intoxicadas.

Numa alusão à saída de venezuelanos devido às dificuldades no seu país, e ao contrário dos milhões que se diz terem sido registados nos países limítrofes, sustentou que nos últimos dois ou três anos emigraram "entre 600.000 e 800.000", com alguns a regressarem, e que o fenómeno teve origem "na guerra económica".

Interrogado sobre os problemas diários dos venezuelanos, respondeu à jornalista que lhe diga "o país do mundo, ou do terceiro mundo, que não tenha dificuldades", e comparou a situação da Venezuela com a vizinha Colômbia.

Segundo os seus dados, 70% da população da Colômbia é pobre, 30% vive na miséria e "mais de 15 milhões" de colombianos emigraram. Na Venezuela, por sua vez, a miséria foi reduzida de 30% para 4,4%, segundo os números de Maduro.

  COMENTÁRIOS