O stress das crianças na Síria

A guerra na Síria disparou os problemas de distúrbios mentais entre as crianças, de acordo com um relatório apresentado esta segunda-feira pelo Save the Children.

A pesquisa da Organização Não Governamental (ONG) adianta que as sequelas psicológicas que o conflito provocou nas crianças aumentam a longo prazo o risco de suicídios, problemas cardíacos, diabetes, abuso de drogas e depressão.

Como um dos maiores problemas, a Save the Children destaca o "stress tóxico" que sofrem muitas crianças como consequência dos bombardeamentos e da violência, que faz com que elas vivam em contínuo estado de medo.

"Esse é o resultado de seis anos de guerra e não pode continuar. Podemos acabar com o stress tóxico que muitas crianças estão sofrendo interrompendo o bombardeamento de zonas civis e levando a todos a ajuda e apoio psicológico", indicou em comunicado a presidente do Save the Children, Carolyn Miles.

Rui Silva leu o relatório da ONG

00:0000:00

Os danos psicológicos sofridos na infância manifestaram-se de diferentes formas, desde crianças que urinam involuntariamente até outras que não são capazes de falar, indicou o relatório.

Além disso, foi registado um aumento no número de crianças que se automutilam ou que tentam o suicídio, acrescenta o estudo, que foi elaborado após entrevistar mais de 450 crianças, adolescentes e adultos sírios.

A Save the Children afirma que os "ferimentos invisíveis" da guerra podem "prejudicar permanentemente toda uma geração de crianças sírias e dificultar os esforços para reconstruir o país após o conflito".

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de