Polícia do Rio de Janeiro vai usar câmaras com reconhecimento facial no Carnaval

Secretário da Polícia Militar fala em "modernizar" aquela força de segurança.

A polícia do Rio de Janeiro, estado brasileiro que foi atingido por uma crise de violência, anunciou esta segunda-feira que usará câmaras de segurança com reconhecimento facial para identificar possíveis infratores no Carnaval.

A iniciativa é o resultado de uma parceria com a empresa de telecomunicações Oi e começará a ser implementada em Copacabana, zona sul da capital 'carioca', afirmou o secretário da Polícia Militar, coronel Rogério Figueredo de Lacerda, numa entrevista ao jornal brasileiro O Globo.

"Se for detetado [nas câmaras] que alguém da região tem uma ordem de prisão ativa contra si, ou se houver um veículo roubado circulando na região um alerta será enviado para a patrulha mais próxima", explicou.

A ideia é ampliar progressivamente uma rede de câmaras de reconhecimento facial em toda a cidade com este sistema. Ao mesmo tempo, serão realizadas verificações da polícia, também com câmaras, para confirmar as placas dos carros, acrescentou o coronel.

"A previsão é começar no Carnaval, a ferramenta é fantástica, é hora de a Polícia Militar se modernizar", afirmou.

O estado do Rio de Janeiro está a ser afetado por uma onda de violência desde a comemoração dos Jogos Olímpicos de 2016, que se agravou nos dois anos seguintes.

Em fevereiro de 2018, o Governo do ex-presidente Michel Temer decretou a intervenção federal na área de segurança pública de todo o estado do Rio de Janeiro, deixando na mão das Forças Armadas o controlo da ordem pública.

O novo governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, que assumiu o cargo em 1 de janeiro, prometeu ser duro contra os criminosos e chegou a anunciar um plano que envolveria drones e até mesmo atiradores de elite que seriam autorizados a abater criminosos apanhados na posse de armas em favelas do estado.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de