Reino Unido acusa Rússia de "ato de agressão" por apresar navios ucranianos

Berlim quer contribuir para que a tensão entre Rússia e Ucrânia não se agrave e propõe mediação franco-alemã no conflito.

O Reino Unido acusou, esta segunda-feira, a Rússia de "ato de agressão" por ter apresado navios e marinheiros ucranianos, perto da Crimeia.

O porta-voz do governo britânico, James Slack, disse esta segunda-feira que o incidente é "mais uma prova do comportamento desestabilizador da Rússia na região e da sua contínua violação da integridade territorial ucraniana".

Para o governo de Theresa May, "a Rússia não deve usar a força para exercer mais pressão sobre a Ucrânia".

O Presidente da Ucrânia, Petro Poroshenko, já pediu para que a Rússia liberte imediatamente os navios e a tripulação, apresados pela Rússia.

As declarações de Poroshenko acrescentam-se à escalada de tensão à volta do incidente de domingo, quando a guarda-costeira da Rússia abriu fogo sobre três navios ucranianos, perto do estreito de Kerch, junto à Crimeia.

A Rússia considera que os navios estavam em águas russas, a Ucrânia diz que estavam em águas neutras.

O Presidente ucraniano assinou hoje um decreto em que declara o estado de exceção em todo o país.

Inicialmente, o estado de exceção ficaria em vigor por 60 dias, até 25 de janeiro de 2019, embora pudesse ser levantado a qualquer momento, segundo explicou o Conselho de Segurança Nacional e Defesa da Ucrânia (CSNDU).

Perante pressões dos adversários internos, Poroshenko diminuiu o horizonte temporal da medida de lei marcial para 30 dias, até final de dezembro, para que as eleições presidenciais possam ser marcadas nessa altura, podendo realizar-se no final de março, como previsto.

O chefe da diplomacia russa, Serguei Lavrov, já reagiu, criticando hoje a decisão da Ucrânia e pedindo aos parceiros ocidentais em Kiev para que "acalmem" as autoridades ucranianas.

O Ministério das Relações Exteriores russo expressou o seu "forte protesto" pelo comportamento da Marinha ucraniana, que acusou de encenar uma provocação para incitar tensões na área, que possam levar a novas sanções contra a Rússia.

O decreto presidencial ucraniano, que não se traduz na mobilização obrigatória de tropas, terá ainda de ser aprovado pelo Rada Suprema, o parlamento da Ucrânia.

Poroshenko, que assinou o decreto depois de conversar com o secretário-geral da Nato, Jens Stoltenberg, afirmou igualmente que o estado de emergência agora decretado não significa a introdução de restrições aos direitos e liberdades fundamentais dos cidadãos.

Berlim propõe mediação franco-alemã

A Alemanha e a França podem fazer a mediação entre a Ucrânia e a Rússia para evitar que a tensão entre os dois países se agrave, propôs hoje o ministro dos Negócios Estrangeiros alemão, Heiko Mass.

O ministro referiu que uma reunião com a Rússia e a Ucrânia, há muito prevista e que se realiza hoje em Berlim, pode ser a ocasião para Paris e Berlim "desenvolverem esforços conjuntos, e se necessário como mediadores, para que este conflito não leve a uma crise grave".

Mass, que falava à imprensa em Madrid após um encontro com o homólogo espanhol, Josep Borrell, referia-se a uma reunião dos diretores políticos dos Negócios Estrangeiros dos quatro países, hoje à tarde na capital alemã, a qual, disse o ministro, é "a primeira ocasião de reunir as partes em conflito".

O ministro alemão frisou que a tensão no leste da Ucrânia e na Crimeia "são um perigo para a segurança da Europa" e que se justificam todos os esforços "para chegar por fim a uma solução política que devia ter sido encontrada há muito tempo".

A diplomacia alemã já tinha pedido hoje a restituição dos navios ucranianos apresados pela Rússia e a libertação dos marinheiros capturados pela Marinha russa no mar de Azov, situado entre a Ucrânia e a península da Crimeia, anexada pela Rússia em 2014.

França também apelou hoje para a libertação dos marinheiros e a restituição dos navios apresados, afirmando, através de um porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros, que "nada parece justificar o emprego da força pela Rússia".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de