Trump quer negociar novo acordo do clima

O Presidente norte-americano, Donald Trump, anunciou a saída dos Estados Unidos do Acordo de Paris, relativo às alterações climáticas e quer estabelecer os termos de um novo tratado.

Donald Trump quer negociar "nos termos impostos pelos Estados Unidos" um novo tratado climático global com "limites e responsabilidades iguais partilhadas por todas as nações", anunciou nos jardins da Casa Branca num ameno fim de tarde em Washington.

Um "acordo desvantajoso para os Estados Unidos e apenas com vantagens para outros países. É contra os trabalhadores americanos, que eu adoro", foi assim que Donald Trump começou por justificar o abandono dos Estados Unidos do Acordo de Paris.

Assim "A partir de hoje os Estados Unidos acabam com a implementação do acordo", anunciou Donald Trump. Umas das consequências imediatas é "o fim do financiamento americano para o Fundo de Adaptação Ambiental", que permite aos estados em desenvolvimento obterem ajudas externas para se adaptarem às novas tecnologias limpas.

O Presidente Norte-Americano utiliza ainda o argumento de que o acordo é pouco ambicioso, pois "não vai além de uma meta de aumento de um a dois graus na temperatura global" o que é "muito poucochinho".

Mas para Trump este Acordo de Paris iria causar o desaparecimento de "7 milhões de postos de trabalho". Por outro lado, "as quebras de produção de cimento seriam na ordem dos 23%" e a produção de "carvão nos Estados Unidos seria de 86%".

Trump acaba por dizer que rasga este acordo porque "damos tanto e recebemos tão pouco", com este acordo do clima. Para mais, "sou o representante do povo de Pittsburgh (capital americana do aço) e não do povo de Paris", foi outras das frases marcantes de Trump.

Antes da intervenção do chefe de Estado o vice presidente dos Estados Unidos ocupou o púlpito para dizer que o objetivo de recuperação económica da América é incompatível com critérios estabelecidos em Paris há dois anos.

Depois destes discursos a Casa Branca colocou no ar (redes sociais) um pequeno vídeo onde sintetiza as justificações para esta decisão.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de