Cozinha sem artifícios no centro de Angra

É um espaço familiar com uma cozinha séria, de base tradicional, à base de bons produtos. O peixe é um dos atributos da casa, sem luxos e com preços em conta.

O Monte Brasil, elevação de origem vulcânica, faz parte do cenário envolvente de Angra do Heroísmo, cidade de ruas bem desenhadas no alindado centro, alvo de criteriosa recuperação pós tremor de terra de 1 de janeiro de 1980.

A rua de S. João é uma dessas artérias, que desemboca na Porta do Mar, no antigo Pátio da Alfândega, frente à bonita igreja da Misericórdia.

De um lado, a moderna marina, do outro, a prainha, estreita língua de areia que é a única praia da cidade, perto do centro e da Praça Velha, onde de destaca o belo edifício da Câmara Municipal.

Passear pela zona mais antiga de Angra é reavivar a memória histórica da ilha lilás, onde a liberdade foi sempre um valor que falou mais alto.

Foi assim quando D. António, Prior do Crato, ali instalou, em 1580, o governo em plena crise da sucessão do reino de Portugal; mais tarde, dali partiu a armada de D. Pedro IV rumo ao Mindelo, no auge das Lutas Liberais.

O Obelisco da Memória, um dos mais espetaculares miradouros da cidade, é homenagem ao desembarque do monarca liberal.

De regresso à pedonal rua de S. João, em busca de local para amesendar, encontramos o restaurante O CHICO.

Casa simples, popular, frequentada por gente da terra. Ao fundo, um balcão; do lado direito, a garrafeira. Paredes com lambris em azulejo, cortinados a filtrar a luz solar; mesas e cadeiras em madeira. Toalhas em tecido aos quadradinhos,

Decoração sofrível; tudo sem luxos.

O peixe do mar dos Açores, sempre fresco, está em destaque na ementa, em que se destaca, a típica alcatra de carne.

Satisfeita a gula com um queijinho fresco e pimenta da terra, nada melhor, para iniciar outro capítulo que umas carnudas e muito saborosas lapas grelhadas.

A sopa de peixe no tacho pode ser a escolha seguinte, mas os filetes de abrótea acabaram por ter a preferência: peixe muito fresco, fritura adequada. A acompanhar, batata cozida e salada.

Nas alternativas, podem figurar espetada de lulas e camarão; peixe assado no forno; pargo cozido com todos; cherne com molho de lagosta; espadarte grelhado e o muito apreciado polvo grelhado.

Quanto a carnes, a alcatra é rainha, mas os bifes também são boa opção.

Para sobremesa, ananás dos Açores, ou mousse de maracujá.

Garrafeira razoável, com os vinhos açorianos em destaque. Serviço simpático neste restaurante com uma cozinha simples, honesta e boa relação preço-qualidade, O Chico, em Angra do Heroísmo.

Localização: Angra do Heroísmo

Telef.: 295 333 286

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de

Outros Artigos Recomendados