Real Companhia Velha é o espelho do desafio ganho por Pedro Silva Reis

Vitalidade, estratégia e novas ideias foram a base da transformação operada por Pedro Silva Reis na Real Companhia em 40 anos de carreira na empresa, 20 dos quais como presidente.

Enoturismo, lançamento de novas marcas e de um vinho inspirado na figura do Marquês de Soveral e a conquista de novos públicos são os objetivos para os próximos tempos.

Com 266 anos de existência e atividade, praticamente ininterrupta, a Real Companhia Velha, produtora de vinhos do Porto e do Douro, fundada por alvará régio de D. José I, é uma empresa adaptada às exigências do século XXI.

Pedro Silva Reis foi o artífice da revolução operada à custa de muito esforço. "A mudança de modelo de negócio que operámos em 1997 foi o grande desafio. A empresa atuava em segmentos e mercados de Vinho do Porto, que perderam a rentabilidade e, por conseguinte, a sustentabilidade financeira estava a ser posta em causa. Tivemos de reagir, o que implicou um desinvestimento na área do Vinho do Porto e uma aposta nos vinhos DOC Douro. Foi o grande desafio", sublinhou o presidente da empresa à TSF.

Para Pedro Silva Reis, foi "pegar numa quinta grande e transformá-la numa grande quinta", referiu, com evidente humor,

A reconversão de vinhas velhas e o investimento em novas parcelas, a venda e compra de ativos, a criação da Fine Wine Divison associada à contratação de um renomado enólogo estrangeiro, a formação de equipa de enologia de luxo, liderada

por Jorge Moreira, o estado das castas raras - há 120 variedades no Douro - e uma forte aposta no enoturismo foram as traves-mestras da ação de Pedro Silva Reis.

"Foram milhões e milhões de euros em investimentos vários", acrescentou o presidente da Real Companhia Velha, empresa que produz cinco milhões de garrafas por ano e exporta para 45 países.

Nos últimos anos, o peso dos vinhos DOC Douro tem vinco a aumentar e representa dois terços das vendas no mercado interno, ou seja, o inverso do que sucede com o Vinho do Porto em termos de exportação.

Novos lançamentos e enoturismo

No vasto portefólio da empresa, a linha experimental de vinhos denominada coleção Series, criada por Pedro Silva Reis, é o exemplo paradigmático da aposta em vinhos diferenciadores, obtidos com uvas de castas tradicionais recuperadas.

Donzelino Branco 2019; Bastardo 2017 e Samarrinho Branco 2019 são alguns dos vinhos da linha series. Este último, em breve no mercado, é um vinho com muita frescura e acidez, qualidades hoje em dia particularmente apreciadas.

Outro lançamento previsto para breve é o Quinta de Cidrô Marquis Tinto 2008, eleito o melhor tinto na recente Vindouro, em S. João da Pesqueira.

Nas imediações desta vila situa-se a quinta de Cidrô, onde estão plantadas várias castas estrangeiras: Gewurztraminer 2021; Sauvignon Blanc 2021, Chardonnay, 2021, Pinot Noir 2018 são algumas das referências já no mercado.

Destaque para o Carvalhas Branco 2018, produzido com as castas Viosinho e Gouveio. È um vinho complexo, topo de gama dos brancos.

Referência para o relançado Grandjó Latest Harvest 2007, um branco que combina na perfeição com foie gras e para o Carvalhas Vinhas Velhas tinto 2010, um vinho complexo, que exprime a riqueza do Douro: produzido com 42 variedades de uvas de três parcelas, com vinhas entre os 75 e os 107 anos e de 42 variedades.

No setor do Vinho do Porto, são três as marcas. Real Companhia Velha, Quinta das Carvalhas e Delaforce.

Nota de excelência, neste capítulo, para o Real Companhia Velha Porto Tawny Jubileu 250 Anos, um vinho de 1867 produzido com os melhores anos

Dandy de Cidrô e a figura do Marquês de Soveral

Um dos próximos lançamentos da Real Companhia Velha é o novo Dandy de Cidrô, branco e tinto, inspirado na figura do marquês de Soveral.

É um vinho com baixo teor alcoólico e elegante, que expressa um Douro diferente, inserindo-se na procura de novos mercados e na resposta aos novos hábitos do consumidor.

A Casa Redonda das Carvalhas e o palácio de Cidrô

O enoturismo é outra forte aposta da Real Companhia Velha, em particular no Douro: a emblemática Casa Redonda, no alto da

Quinta das Carvalhas, sobranceira ao Pinhão, foi alvo de uma remodelação que tornou a mansão com soberba localização e panorâmica deslumbrante, mais confortável e adaptada aos novos tempos.

Em breve, será possível alugar a casa na totalidade, única modalidade prevista de momento.

Nas imediações de S. João da Pesqueira, o magnífico palácio de Cidrô com um jardim francês e rodeado de vinhedos, sofreu igualmente obras de manutenção, no sentido de preservar tão rico e histórico património.

No cais de V. N. de Gaia, o centro de visitas 17.56 Museu & Enoteca integra o Museu da 1.ª Demarcação, assumindo-se como um dos pilares do enoturismo da empresa.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de