Um dia com o enólogo no berço do Alvarinho

Assistir à chegada das uvas à adega, provar mostos e vinhos em fermentação e observar o início do processo de vinificação na presença do enólogo é a proposta da primeira marca de vinho Alvarinho de Melgaço.

A época das vindimas, envolta numa aura muito peculiar, está aí e na região mais setentrional de Portugal, berço do aclamado vinho verde alvarinho, a contagem decrescente para o início da faina já começou.

Este ano será possível aprender um pouco mais sobre um produto de eleição da sub-região de Monção e Melgaço.

É, precisamente, naquele último concelho, que o Soalheiro propõe, a 19 de setembro, um «Dia com o Enólogo», cujo programa permite provar mostos e vinhos em fermentação, assistir à receção de uvas na adega e ao início do processo de vinificação. Uma verdadeira masterclass com António Luís Cerdeira, enólogo de uma das mais conceituadas e premiadas marcas de vinho Alvarinho.

Curso de prova e gastronomia regional

Do programa constam ainda um curso de prova de vinhos, para apreciar as várias facetas do Soalheiro, representativas da elasticidade dos Alvarinhos naquele território, em função do local de plantação das vinhas.

Nada melhor que dois exemplos: o emblemático Soalheiro Clássico é um alvarinho «do vale», intenso, elegante e com volume, enquanto o Soalheiro Granit é provenientes de vinhas de pequena dimensão implantadas em solo de origem granítica acima dos 300 metros de altitude. Por isso, revela a mineralidade que relaciona o solo de origem granítica do «terroir» de Monção e Melgaço e a casta Alvarinho, aprimorado com a «batonage» e o estágio nas borras finas.

O terraço do Soalheiro, de onde se contempla arrebatadora panorâmica do vale do rio Minho e de terras de Espanha, é local de eleição para desfrutar em toda a plenitude das várias referências que integram o diversificado portefólio da marca.

A experiência termina com um almoço, na Quinta de Folga, com magnífico enquadramento, onde será dado a provar o fumeiro tradicional de porco bísaro e a gastronomia de Melgaço. Para harmonizar, as magnum Soalheiro.

A participação mediante reserva é limitada.

Expansão sustentável

Com o objetivo de continuar a contribuir para a afirmação de Monção e Melgaço como uma região vitivinícola de excelência, a primeira marca de Alvarinho de Melgaço vai, em conjunto com o clube de produtores, promover a plantação de mais 35 hectares de Alvarinho, no próximo ano, ao abrigo da candidatura, recentemente aprovada, ao programa VITIS.

Com a vindima a chegar, o Clube de Produtores de Monovarietais do Vinho Verde recebeu esta semana a notícia de que a valorização da uva irá manter-se este ano,

Em ano de pandemia, foi uma forma de reconhecimento pelo esforço de todos os agricultores e de garantir uma viticultura sustentável na região dos Vinhos Verdes.

Para Luís Cerdeira, enólogo e gestor do Soalheiro, «está a ser, sem dúvida, um ano difícil, mas a resiliência da nossa equipa é enorme e as decisões difíceis também têm de ser tomadas. Por isso, queremos que o Alvarinho e o Vinho Verde continuem a ter as uvas mais valorizadas do país e que os viticultores dos Vinhos Verdes e de Monção e Melgaço tenham uma viticultura sustentável».

Paulo Abreu, um dos viticultores mais antigos do clube que agrega produtores parceiros do Soalheiro, acrescenta que «o investimento feito na viticultura pretende criar um rendimento complementar para as famílias e,

caso não haja valorização, pode existir uma tendência para o abandono da vinha».

Desse modo, estabilidade e valorização do trabalho são dois fatores de vital importância para uma atividade tão vulnerável aos caprichos das condições atmosféricas.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de