Centro de Arqueologia Náutica e Subaquática iniciou mudança para Xabregas - Governo

O ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes, afirmou hoje no Parlamento que o processo de transferência do Centro Nacional de Arqueologia Náutica e Subaquática (CNANS) para Xabregas, em Lisboa, já começou e que o concurso público foi divulgado.

O ministro falava na comissão parlamentar de Cultura, respondendo a um requerimento apresentado pelo grupo parlamentar do PCP, sobre o processo de transferência do CNANS das instalações do Mercado Abastecedor da Região de Lisboa (MARL), em Loures, para o armazém da antiga fábrica de tabaco de Xabregas, na zona oriental da capital.

Segundo o ministro, o concurso público para a realização das obras em Xabregas foi publicado hoje em Diário da República, com um orçamento de 970 mil euros (valor sem IVA), e a previsão é que o processo de adaptação do espaço e a transferência das 14 mil peças arqueológicas esteja concluído este ano.

"As coisas melhoraram, mas só nos preocupam menos", referiu.

O ministro disse ainda que, do MARL, foram já retirados arquivos mortos, que já foi adquirido equipamento para o centro arqueológico e que, refutando as críticas apontadas pelo Bloco de Esquerda e pelo PCP, as peças arqueológicas depositadas no MARL não estão ameaçadas com obras e com a presença de andaimes no local.

Sobre o futuro em Xabregas, Castro Mendes disse que quer reforçar em 2019 a equipa do CNANS com mais dois trabalhadores, que se juntam aos atuais dois arqueólogos e um conservador.

A tutela tenciona transformar o CNANS num "centro de investigação" em torno do património arqueológico subaquático e náutico, em parceria, por exemplo, com os ministérios do Mar e da Ciência, e com a Universidade Nova de Lisboa.

"A missão será virada para o trabalho científico, de preservação, recuperação e conservação", enumerou.

O ministro da Cultura afirmou ainda que irá analisar a existência de um processo disciplinar instaurado a uma arqueóloga pela Direção-Geral do Património Cultural (DGPC).

Na audição parlamentar, deputados do PCP, Bloco de Esquerda e CDS-PP confrontaram o ministro com a existência de um processo disciplinar contra uma arqueóloga, sindicalista, alegadamente por ter emitido uma opinião.

Em resposta, Luís Filipe Castro Mendes disse que não discute na Assembleia da República processos disciplinares de serviços internos, referindo apenas que "não se trata de um processo de delito de opinião, porque seria inconstitucional".

"O ministro só fala quando lhe é presente recurso hierárquico. Enquanto decorre, o ministro não tem nada para dizer", sublinhou Castro Mendes.

De acordo com o deputado Jorge Campos, do Bloco de Esquerda, o processo disciplinar foi instaurado na sexta-feira passada.

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de