nacional

Diretor de Centro de Investigação Marinha diz que falta apoio para explorar oceanos

O diretor do Centro Interdisciplinar de Investigação Marinha e Ambiental (CIIMAR) da Universidade do Porto afirmou hoje, em Matosinhos, que na região do Norte do país faltam "apoios institucionais" para a exploração dos biorrecursos marinhos e dos oceanos.

À margem da conferência "Blue and Green Legacy", promovida pelo CIIMAR, que decorreu durante o dia de hoje no Terminal de Cruzeiros do Porto de Leixões, em Matosinhos, Vitor Vasconcelos frisou que "a região Norte está preparada" quando se fala em atores, "mas não a nível institucional".

PUB

"A estratégia nacional tem o mar como alvo principal, mas a nível da região Norte, o mar não é considerado uma das valências principais", sublinhou.

Em declarações à Lusa, o diretor do CIIMAR referiu ainda que esse apoio institucional permitiria que o mar fosse considerado "um valor, para que, assim, os projetos desenvolvidos nesta área também o sejam".

A conferência "Blue and Green Legacy", que teve como temas principais os biorrecursos marinhos, reuniu vários oradores especializados na área da biotecnologia marinha, bioeconomia e economia circular como Inês Costa, adjunta do Ministério do Ambiente e o irlandês Dermot Hurst, representante da MarineBionet.

Durante a sessão, que incidiu sobre as perspetivas futuras para a exploração dos oceanos, o aproveitamento dos recursos marinhos e a construção de um roteiro nacional, Inês Costa salientou o "metabolismo lento do país", apesar da "posição única relativamente aos oceanos e aos recursos marinhos".

Dermot Hurst, por sua vez, sublinhou "os grandes desafios" que a área da biotecnologia marinha enfrenta, mas também apontou "as possíveis soluções".

"É fundamental criarmos uma posição dentro desta área, e não apenas tratá-la como uma simples disciplina. Precisamos de políticas que percebam o valor destes recursos, assim como precisamos de novos modelos de investimento e de bons parceiros para tornar estes recursos rentáveis e lucrativos", afirmou o engenheiro mecânico da MarineBionet.

Além das perspetivas futuras para a área da biotecnologia, vários foram os convidados oradores que durante a conferência "Blue and Green Legacy" salientaram a importância da cooperação entre empresas e centros de investigação, mas também da utilização de meios tecnológicos eficientes, que permitam uma produção inovadora, diferenciadora e sustentável.

Segundo o diretor do CIIMAR, deste encontro resulta a criação de um "roteiro sobre biotecnologia azul que vai permitir a quem queira começar a trabalhar nesta área, ou até, já quem trabalha, encontrar os setores e os parceiros específicos que procura", acrescentou.