Movimento alerta para corte de árvores em Sintra

Um autodenominado "movimento de cidadãos" chamado Q Sintra alertou hoje para o alegado abate planeado de milhares de árvores na serra de Sintra, mas a câmara municipal afirma que não está decidida nenhuma intervenção.

Em comunicado, o Q Sintra pede "medidas urgentes" para proteger de abate "milhares de árvores, sobretudo cedros e pinheiros, ao longo das estradas Malveira - Lagoa Azul e Malveira - Capuchos".

Contactada pela agência Lusa, a Câmara Municipal de Sintra afirmou que está "a acompanhar em conjunto com o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas [ICNF] a identificação de árvores" que estão para abate, mas que "não há nenhuma decisão tomada".

O movimento refere que em março passado, milhares de árvores foram marcadas pelo ICNF para serem cortadas "nas mesmas zonas", na altura com o argumento de que isso iria melhorar a segurança rodoviária.

Esse corte acabou por não acontecer, mas "há cerca de um mês", surgiram "novas marcas, praticamente nas mesmas árvores que em 2017".

No seu comunicado, o movimento indica ter questionado o ICNF e recebido como resposta a necessidade de cortar árvores para prevenir incêndios.

O Q Sintra contesta este argumento, contrapondo que o corte em massa de árvores "não diminuirá o risco de incêndios", tenderá antes a "aumentá-lo, secando os solos e abrindo caminho para espécies invasoras".

Os incêndios do verão passado mostraram que "o fogo atravessa auto-estradas", aponta o movimento, considerando que cortar árvores "só pode ter um objetivo de negócio".

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de