Economia

Startup do Porto ajuda empresas de bebidas a reduzir custos de produção

Uma 'startup' do Porto desenvolveu uma plataforma que ajuda as empresas de bebidas no desenvolvimento de produtos, estimando vendas e reduzindo os custos associados ao processo e ao artigo final.

Esta plataforma, que ajuda as empresas a serem mais competitivas, "num mercado cada vez mais global e volátil", vem tornar mais rápido o processo de desenvolvimento de produtos, que é normalmente "complexo, desorganizado e lento", indicou à Lusa a fundadora da 'startup' (empresa de base tecnológica em fase de desenvolvimento) B.Create, Ana Ferreira.

PUB

Segundo a responsável, este fator, aliado à falta de informação crítica, bloqueia a inovação e torna o processo de decisão mais arriscado, verificando-se igualmente uma falha a nível tecnológico relativamente à oferta de soluções integradas para este processo.

"Numa indústria fortemente legislada, onde as novas gerações de consumidores podem transformar completamente os requisitos de uma marca, a inovação, a rapidez e o controlo de custos são fatores essenciais de sucesso", indicou.

Esta plataforma apoia os utilizadores desde a validação da ideia até ao lançamento no mercado, informando e introduzindo novos dados necessários ao projeto, explicou a fundadora, que é licenciada em Informática de Gestão pela Universidade do Minho.

Para além disso, utiliza fluxos de trabalho dinâmicos e um sistema de mensagem integrado, no qual toda a comunicação do trabalho fica registado, permitindo uma total visibilidade e rastreabilidade dos projetos em curso.

Da mesma forma, todos os ficheiros relativos aos planos de marketing, imagens e fichas técnicas, por exemplo, ficam integrados durante todo o processo.

"Através de gráficos e painéis de bordo, com diversos indicadores operacionais e de gestão, é possível ter uma visão global sobre tudo o que se está a passar na organização e nos projetos, com a análise, por país, de todos os produtos que estão a ser desenvolvidos", referiu.

A B.Create participou no programa de aceleração Startup Porto Accelerator, lançado pela Associação Nacional de Jovens Empresários (ANJE) e pelo INESC TEC.

Segundo Ana Ferreira, a troca de experiências originada por esta experiência, entre pessoas com "vivências muito diferentes, que partilham um sonho em comum", criou "uma energia mais forte e ajudou a acreditar que é possível ir mais longe".

"A possibilidade de interagir com mentores nacionais e internacionais, de diversas áreas, não só contribuiu com conhecimento relevante, como ajudou a criar uma rede de contactos que pode perdurar durante muito tempo", acrescentou.

Simultaneamente, continuou, a partilha dos projetos e a sua avaliação, sob diversas perspetivas, bem como o envolvimento da equipa na sua melhoria contínua, contribuiu para uma "reflexão mais profunda" por parte dos empreendedores, que conseguirão assim "enriquecer e conferir maior maturidade aos seus projetos".