Sonho da astrobióloga Zita Martins levou-a a fazer ciência "fora de portas"

O sonho conduziu Zita Martins a fazer ciência fora de Portugal, o sonho levou-a a regressar ao fim de 16 anos e hoje o seu percurso foi recordado em nome próprio numa conferência em Lisboa.

"Valeu a pena. Saboreei cada momento deste caminho", sintetizou a astrobióloga e professora do Instituto Superior Técnico, onde se licenciou em química antes de emigrar.

Zita Martins falou na conferência "Ciência portuguesa pelo mundo", promovida pela Fundação Francisco Manuel dos Santos.

Depois de ver o filme "Contacto", baseado no livro homónimo do cosmólogo Carl Sagan, a investigadora decidiu que queria ser "astrobióloga", aplicar "a química ao cosmos".

"Sair de Portugal por um sonho", quando "havia muito dinheiro para a ciência", levou-a à Holanda, onde se doutorou em astrobiologia, aos Estados Unidos, onde recusou ofertas de emprego na agência espacial NASA, e ao Reino Unido, onde descobriu que o impacto de um cometa num planeta, fora ou dentro do Sistema Solar, pode produzir os "blocos fundamentais" da vida, os aminoácidos.

No rebuliço da cidade de Londres, Zita Martins tomou a decisão de voltar a Portugal fazendo jus a um outro sonho: o de ser a primeira astrobióloga portuguesa a trazer o conhecimento adquirido para o seu país.

O sonho tornou-se realidade no Instituto Superior Técnico, a 'casa-mãe' onde é professora associada e onde promete continuar a estudar a origem e a evolução da vida no Universo.

Zita Martins foi hoje um dos três investigadores que testemunharam o seu percurso científico no estrangeiro.

Nuno Fontes, engenheiro químico a trabalhar em Silicon Valley, na Califórnia, nos Estados Unidos, antecipou o seu regresso dentro de cinco anos a Portugal, onde tenciona "dar um contributo" para a universidade e montar uma empresa no setor da biotecnologia farmacêutica.

Considera que, na ciência, "Portugal está a mudar na direção certa, mas ainda não está onde devia estar".

Francisco Bethencourt, professor de história no King's College de Londres, no Reino Unido, entende que o panorama científico português "está melhor agora do que há 20 ou 30 anos".

"O problema é institucional", advogou o especialista em história do racismo no mundo atlântico e história comparada da expansão europeia.

O investigador e docente queixou-se da limitação no acesso às grandes bases de dados e da falta de dinheiro da Biblioteca Nacional para comprar livros.

"Há problemas estruturais nesta área [ciências humanas]", defendeu, lamentando que haja "imensas competências que não estão a ser aproveitadas".

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de

Outros Artigos Recomendados