Estudantes: 50 anos da crise académica de 1962

A crise académica de 1962, que durou vários meses, com greves às aulas, prisões de estudantes, manifestações e cargas policiais, abalou o regime ditatorial.

Em 1962 o clima de tensão entre os estudantes universitários e o Estado Novo foi-se agravando. Mesmo sob proibição, as associações académicas assinalaram o Dia do Estudante a 24 de Março, uma iniciativa impedida à lei da força pela polícia.

A contestação, que se estenderá até Julho, será marcada por greves às aulas em Lisboa, Porto e Coimbra, comícios e manifestações de rua, sempre reprimidas violentamente.

O regime acabou por retomar o controlo da situação no final do ano de 1962, mas a longa crise estudantil marcou o despertar para a atividade política de uma geração, que em anos futuros, mostraria ser um dos setores mais activos da resistência ao Estado Novo.

(Um trabalho de Ana Sofia Calaça)

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de