Acordo entre EUA e UE "é um primero passo" para a Europa ficar menos dependente do gás russo

Em declarações à TSF, o presidente da Endesa que o acordo é insuficiente para dispensar totalmente a compra de gás à Rússia.

Os Estados Unidos da América e a União Europeia acordaram esta sexta-feira a redução da dependência da Europa em relação ao gás proveniente da Rússia. Durante o anúncio, levado a cabo de manhã por Joe Biden e Ursula von der Leyen, a presidente da Comissão Europeia explicou ainda que o acordo prevê que os Estados Unidos forneçam à União Europeia 50 mil milhões m³ de gás natural líquido ate final de 2030.

O presidente da empresa energética Endesa, Nuno Ribeiro da Silva, considera, em declarações à TSF, que o acordo é um esforço importante para fazer com que a Europa fique menos dependente da Rússia. Contudo, revela que é insuficiente para dispensar totalmente a compra de gás à Rússia.

"Os fornecimentos da Rússia à Europa por gasoduto e por navio totalizam cerca de 167 mil milhões m³. É um contributo que não vai além dos 10% do consumo que a Europa solicita à Rússia regularmente, sobretudo por gasoduto. Mas é um primeiro passo, diria, no sentido de a Europa ficar menos dependente, menos ligada e menos sujeita aos fornecimentos russos", explica o presidente da Endesa.

Nuno Ribeiro da Silva avisa que a compra de gás aos Estados Unidos da América vai ter um custo acrescido para a Europa, devido à logística da operação. Ainda assim, Portugal e Espanha vão sair beneficiadas pelo acordo, por causa das condições geográficas e geológicas da Península Ibérica.

"O transporte por navio, o processo de transformar no ponto de origem o gás em gás líquido, depois o transporte por navio, depois chegar ao destino e ser regaseificado, é uma logística mais cara do que o fornecimento regular por gasoduto direto da origem para o destino. Mas, enfim, é o preço a pagar para acordar do adormecimento em que vivemos relativamente à dependência russa", argumenta Nuno Ribeiro da Silva.

Ainda este ano, os Estados Unidos da América vão fornecer à União Europeia mais 15 mil milhões de m³ de gás liquefeito. Entretanto, a Alemanha anunciou que vai reduzir para metade as importações de petróleo russo até ao fim de junho e planeia também acabar com a compra de carvão à Russia até ao outono.

ACOMPANHE AQUI TUDO SOBRE O CONFLITO ENTRE A RÚSSIA E A UCRÂNIA

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de