Encontrados 200 corpos em Mariupol. Suíça anuncia conferência sobre reconstrução

A guerra na Ucrânia, que completa esta terça-feira três meses, causou já a fuga de mais de 14 milhões de pessoas das suas casas. Siga ao minuto na TSF.

PorTSF
© Alessandro Guerra/EPA

EUA acabam com exceção que permitia à Rússia pagar dívida em dólares

Os Estados Unidos vão acabar, a partir desta quarta-feira, com a exceção que permitia à Rússia pagar as suas dívidas com dólares, decisão que pode levar Moscovo a entrar em incumprimento, anunciou o Departamento de Tesouro.

Prevista no âmbito das drásticas sanções impostas a Moscovo devido à invasão da Ucrânia, a exceção acabará às 00h01 de quarta-feira (05h01 de Lisboa), dois dias antes do próximo prazo de pagamento da Rússia.

Desde as primeiras sanções contra a Rússia, o Departamento de Tesouro norte-americano tinha concedido aos bancos uma autorização para processar qualquer pagamento de títulos de dívida da Rússia.

Suíça anuncia conferência sobre a reconstrução da Ucrânia em julho

Presidente suíço anunciou esta terça-feira a realização de uma conferência sobre a reconstrução da Ucrânia, a 4 e 5 de julho na Suíça, para mobilizar fundos para o país atingido por destruições maciças desde a invasão russa.

Uma conferência sobre as reformas ucranianas estava inicialmente prevista para essa data na cidade de Lugano, mas o seu título e objetivo foram alterados devido ao contexto, disse Ignazio Cassis numa conferência de imprensa em Davos.

LER MAIS

Com a guerra, clima é deixado para segundo plano: "Pode ser o fim da civilização"

O bilionário norte-americano de origem húngara George Soros disse esta terça-feira, em Davos (Suíça), que o Presidente russo, Vladimir Putin, deve ser derrotado o mais rápido possível, porque é "a melhor e talvez a única maneira de preservar a civilização".

"Devemos mobilizar todos os nossos recursos para que a guerra [na Ucrânia] termine", afirmou Soros, no seu discurso durante o seu tradicional jantar com a imprensa no Fórum Económico de Davos.

LER MAIS

Cerca de 200 corpos encontrados entre escombros numa cave em Mariupol

Cerca de 200 corpos foram encontrados na base de um edifício residencial destruído em Mariupol, cidade no sudeste da Ucrânia sitiada e fortemente bombardeada durante quase três meses pelas forças russas, revelou hoje fonte da autarquia.

Petro Andryushchenko, assessor do presidente da Câmara de Mariupol, não precisou quando é que os corpos foram descobertos entre os escombros do prédio, mas o número de vítimas faz com que este possa ser um dos ataques mais mortais conhecidos desde o início da invasão russa da Ucrânia.

LER MAIS

Von der Leyen afasta possível consenso sobre embargo de gás russo na cimeira da UE

A líder da Comissão Europeia sublinha que é preciso saber se os outros estados-membros estão dispostos a financiar equipamentos que garantam a independência da Hungria face ao gás russo.

LER MAIS

Hungria declara estado de emergência devido à guerra

A Hungria entra à meia-noite desta terça-feira em estado de emergência devido à guerra na vizinha Ucrânia, anunciou o primeiro-ministro húngaro, Viktor Orbán.

"O governo declara o estado de emergência por causa da guerra na Ucrânia", disse Orbán, num vídeo divulgado na rede social Facebook, poucas horas depois de o parlamento ter aprovado uma emenda constitucional que abriu a possibilidade de anunciar tal medida.

LER MAIS

Rússia "terá mais NATO na fronteira" devido a erro de Putin

O secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, considerou esta terça-feira que o Presidente russo "cometeu um grande erro estratégico" ao invadir a Ucrânia para impedir o alargamento da aliança, que terá mais membros junto às fronteiras da Rússia.

Numa intervenção no segundo dia do Fórum Económico Mundial, na estância suíça de Davos, Stoltenberg recordou que, em dezembro do ano passado, Vladimir Putin "apresentou um ultimato" à NATO para exigir a retirada da aliança da Europa de Leste e o fim do alargamento.

LER MAIS

UE aprova nova parcela de 500 milhões de euros de ajuda militar à Ucrânia

O Conselho da União Europeia (UE) libertou uma quarta parcela de assistência à Ucrânia no valor de 500 milhões de euros, ao abrigo do Mecanismo Europeu de Apoio à Paz, foi esta terça-feira anunciado.

Com esta parcela, a UE mobilizou já dois mil milhões de euros para a Ucrânia ao abrigo do mecanismo, em resposta à agressão russa ao país.

A verba hoje aprovada financia o envio de material bélico pelos Estados-membros para a Ucrânia, respondendo às necessidades de Kiev, sendo que 490 milhões de euros se destinam a financiar equipamento militar para fins defensivos e os outros dez milhões a cobrir o aprovisionamento de equipamento e material, tal como combustível, 'kits' de primeiros socorros e equipamento de proteção pessoal.

LER MAIS

Moscovo diz que "operação militar especial" decorre sem prazo e alcançará todos os objetivos

A Rússia não fixou um prazo para a "operação militar especial" que iniciou na Ucrânia há três meses, afirmou esta terça-feira o secretário-geral do Conselho de Segurança russo, Nikolai Patrushev, assegurando que todos os objetivos serão cumpridos.

"Não estamos a correr para cumprir um prazo [específico]", disse Patrushev ao jornal russo Argumenty i Fakti, ao responder a uma pergunta sobre o tempo da intervenção na Ucrânia, que a Rússia invadiu em 24 de fevereiro.

Patrushev disse que todos os objetivos estabelecidos pelo Presidente russo, Vladimir Putin, serão alcançados.

LER MAIS

Quatro países da UE querem utilizar ativos congelados para reconstrução ucraniana

Eslováquia, Estónia, Letónia e Lituânia solicitaram aos parceiros europeus para que utilizem cerca de 300.000 milhões de euros em ativos do Banco Central da Rússia congelados por sanções a Moscovo para financiar a reconstrução da Ucrânia.

"Temos de encontrar formas legais de utilizar os bens do Banco Central da Rússia para a reconstrução da Ucrânia", afirmou a ministra da Economia e Finanças da Lituânia, Gintare Skaiste, cujo país vai apresentar, em conjunto com os outros três parceiros, este pedido.

LER MAIS

Bola com mensagem de paz para a final da Liga dos Campeões

A UEFA divulgou nesta terça-feira a bola com que se vai jogar a final da Liga dos Campeões, entre o Liverpool e Real Madrid. A bola contém a palavra "paz" escrita em inglês e cirílico.

LER MAIS

Zelensky diz que Rússia disparou mais de 2200 mísseis contra a Ucrânia em três meses

O Exército russo disparou um total de 2275 mísseis contra a Ucrânia e realizou mais de 3000 ataques aéreos nestes três meses de guerra, declarou esta terça-feira o Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky.

"No total, desde 24 de fevereiro, o Exército russo lançou 1474 ataques com mísseis contra a Ucrânia, usando 2275 foguetes de diferentes tipos", disse Zelensky numa mensagem de vídeo divulgada esta terça-feira e publicada pelas agências de notícias locais.

O Presidente ucraniano acrescentou que "a grande maioria [dos mísseis] visava alvos civis".

Segundo Zelensky, "em menos de três meses houve mais de 3000 ataques aéreos de aviões e helicópteros russos".

LER MAIS

Rússia anuncia destruição de depósito de munições para obuses norte-americanos

As autoridades russas anunciaram esta terça-feira que destruíram, com mísseis lançados do ar, um depósito de projéteis de 155 milímetros para obuses norte-americanos M-777, conhecidos como Howitzer, no leste da Ucrânia.

O porta-voz do Ministério da Defesa, major-general Igor Konashenkov, sublinhou que o ataque russo ocorreu em Rozdolivka, na região do Donbass.

"Durante o dia, mísseis de alta precisão lançados do ar atingiram três postos de controlo, 36 áreas onde se concentram soldados e equipamentos militares, uma divisão de artilharia autopropulsada da 14.ª brigada mecanizada nas proximidades de Soledar e seis depósitos de munições" em várias localidades na região de Donetsk, referiu o porta-voz.

LER MAIS

Kiev diz que Putin foi alvo de uma tentativa de atentado em fevereiro

O presidente russo, Vladimir Putin, foi alvo de um atentado pouco depois de ordenar a invasão da Ucrânia, no dia 24 de fevereiro, disse esta terça-feira o chefe da direção-geral de Informações do Ministério da Defesa de Kiev, Kyrylo Budanov.

"Houve um atentado para assassinar [Vladimir] Putin... Inclusivamente diz-se que foi atacado, não há muito tempo, por representantes do Cáucaso", acrescentou Kyrylo Budanov numa entrevista publicada na edição de hoje do jornal Ukrainska Pravda, de Kiev sem precisar mais detalhes.

O chefe dos serviços de informações da Ucrânia disse que se tratam "de informações que não são públicas".

LER MAIS

Von der Leyen sugere "o uso de ativos russos" para reconstruir a Ucrânia

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen expressou hoje estranheza por ter de "falar de guerra" no fórum que reúne em Davos, na Suíça, as maiores empresas mundiais, dizendo que o "espírito" do encontro "é a antítese da guerra". "Nos últimos anos, procurámos formas inteligentes e sustentáveis ​​de combater as alterações climáticas", destacou a presidente da Comissão, apontando também as estratégias para "moldar a globalização", ou "como tornar a digitalização uma força para o bem e mitigar riscos para as democracias". "Davos tem tudo a ver com criar um futuro melhor em conjunto. É sobre isso que deveríamos estar a falar aqui hoje. Em vez disso, devemos abordar os custos e as consequências da guerra de escolha de Putin", afirmou Ursula von der Leyen.

LER MAIS

Invasão russa da Ucrânia demonstra importância de Indo-Pacífico "livre e aberto"

O Presidente dos Estados Unidos considerou esta terça-feira que a invasão russa da Ucrânia "demonstra a importância" de manter um Indo-Pacífico "livre e aberto", no início da reunião do grupo Quad, em Tóquio.

"Vivemos tempos sombrios da nossa história compartilhada", disse Joe Biden aos líderes do Japão, da Índia e da Austrália, em Kantei, residência oficial do primeiro-ministro japonês, Fumio Kishida.

LER MAIS

Alemanha diz que embargo da UE ao petróleo russo é possível "dentro de dias"

Um embargo europeu ao petróleo russo é possível "dentro de alguns dias", disse o ministro da Economia alemão, Robert Habeck, embora tenha reconhecido que a medida não é ainda consensual no seio da União Europeia (UE).

"Apenas alguns estados, especialmente a Hungria, que levantaram problemas", disse Habeck à televisão pública alemã ZDF na segunda-feira à noite. Mas "as discussões continuam" e "acho que conseguiremos um avanço em poucos dias".

A UE já anunciou o fim das importações russas de carvão a partir de agosto próximo, mas um embargo de petróleo até ao final do ano ainda está em discussão.

LER MAIS

"Se não aguentarmos a defensiva, a Rússia irá continuar e atacar os países bálticos"

O Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, alertou esta segunda-feira que os Estados Unidos e todos os membros da NATO serão arrastados para uma guerra caso a Rússia conquiste a Ucrânia e avance para outros países.

"Se cairmos, se não aguentarmos a defensiva, a Rússia irá continuar e atacar os países bálticos, a Estónia, Lituânia e Letónia, e estados mais pequenos", salientou Zelensky em entrevista à plataforma de notícias Axios.

Desta forma, o chefe de Estado ucraniano sublinhou que se o seu país perder a guerra contra a Rússia, as forças de Moscovo irão continuar e atacar membros da NATO, o que coloca "potencialmente" norte-americanos em risco.

LER MAIS

Três civis mortos na região de Donetsk em ataques russos

O governador da Administração Militar Regional de Donetsk, Pavlo Kyrylenko, disse que três civis morreram segunda-feira na sequência de ataques russos, rejeitando adiantar mais pormenores.

À agência de notícias AP, em Kramatorsk, Pavlo Kyrylenko referiu que os conflitos continuavam perto da região de Lugansk e a linha da frente estava sob bombardeamento contínuo.

As regiões de Lugansk e Donetsk estão na área do Donbass, grande parte da qual é controlada por separatistas apoiados pela Rússia desde 2014. O Kremlin está a tentar expandir o território que controla com ataques de artilharia e mísseis.

LER MAIS

Exército colombiano vai formar soldados ucranianos em desminagem militar

Engenheiros do Exército colombiano vão treinar militares ucranianos em desminagem militar humanitária, na sequência de um pedido da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO), revelou esta segunda-feira o Ministério da Defesa da Colômbia.

Os colombianos participaram, por convite, no grupo de contacto promovido pelos Estados Unidos e destinado a fortalecer as capacidades militares de Kiev.

O ministro da Defesa da Colômbia, Diego Molano, explicou que o seu país recebeu um requerimento, por parte da NATO, para "fornecer treino às Forças Armadas ucranianas em desarmamento de minas".

LER MAIS

Abrimos este liveblog para acompanhar ao minuto a situação da guerra na Ucrânia. Pode ler o essencial das últimas 24 horas aqui.

Relacionados

Veja Também

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG