Lula vence, mas não evita segunda volta. Bolsonaro terá a maior bancada da câmara alta do senado

O Brasil foi a votos na primeira volta das eleições gerais, para escolher o próximo chefe de Estado. Siga na TSF.

PorTSF

 foto Fernando Bizerra/EPA

Os apoiantes de Lula da Silva, em São Paulo|

 foto AFP

A votação em São Paulo|

 foto AFP

A votação em São Paulo|

 foto AFP

A votação em Fortaleza, Ceara|

 foto Jarbas Oliveira/EPA

As filas para votar em Lisboa|

 foto Ricardo Alexandre/TSF

Filas em Lisboa|

 foto Ricardo Alexandre/TSF

Filas em Lisboa|

 foto Ricardo Alexandre/TSF

Filas em Lisboa|

 foto Ricardo Alexandre/TSF

Filas em Lisboa|

 foto Ricardo Alexandre/TSF

 foto Miguel Schincariol/AFP

Filas para votar no Porto|

 foto Pedro Granadeiro / Global Imagens

Filas para votar no Porto|

 foto Pedro Granadeiro / Global Imagens

Mais de 45 mil brasileiros votam este domingo em Lisboa nas eleições gerais do Brasil|

 foto Tiago Petinga/LUSA

Mais de 45 mil brasileiros votam este domingo em Lisboa nas eleições gerais do Brasil|

 foto Tiago Petinga/LUSA

Brasil decide este domingo o futuro do país na primeira volta das eleições gerais|

 foto Tiago petinga/LUSA

Mais de 45 mil brasileiros ão chamados a exercer o direito de voto em Lisboa|

 foto Tiago petinga/LUSA

 foto Raphael Alves/EPA

Filas para votar em Lisboa|

 foto Pedro Granadeiro / Global Imagens

Filas para votar no Porto|

 foto Pedro Granadeiro / Global Imagens

Filas para votar no Porto|

 foto Pedro Granadeiro / Global Imagens

Filas para votar no Porto|

 foto Pedro Granadeiro / Global Imagens

Filas para votar no Porto|

 foto Pedro Granadeiro / Global Imagens

PSD espera que divisão da sociedade brasileira "seja esquecida e atenuada" após segunda volta

O deputado do PSD José Manuel Fernandes afirmou que, após a segunda volta, o importante é que as diferenças políticas não desagreguem ainda mais a sociedade brasileira.

"Espero que esta divisão seja esquecida e atenuada depois daquilo que será a segunda volta. Há uma polarização excessiva e aquilo a que temos assistido é que o Brasil tem instituições fortes, o sistema eletrónico de voto reconhecido existe desde 1996 e tem havido confiança. É essencial que haja essa aceitação dos resultados do lado do Brasil e que todo o resto do planeta, sobretudo na União Europeia, também aceite qualquer que seja o resultado", afirmou à TSF José Manuel Fernandes.

PS saúda Lula e diz que eleições deram "sinal expressivo e importante" para futuro do Brasil

O PS considera que, nestas eleições, os brasileiros deram um "sinal expressivo e importante" para o futuro do país.

"O Partido Socialista saúda Lula da Silva, o candidato mais votado na primeira volta das eleições presidenciais, e formula votos para que o Brasil rejeite as derivas autoritárias e antidemocráticas. A vitória de Lula da Silva será uma vitória dos valores progressistas e democráticos", pode ler-se na reação do partido português.

Segunda volta "prova que empresas de sondagens estão totalmente erradas"

Do lado do Chega, Pedro Pinto, líder da bancada parlamentar, diz que as sondagens que davam a vitória a Lula já este domingo saem derrotadas.

"Uma segunda volta será extremamente importante para o Brasil e prova que as empresas de sondagens estão totalmente erradas. Aliás, não acontece só no Brasil, acontece um bocadinho por toda a Europa, inclusive no nosso país e isso é aquilo que temos de sublinhar neste momento. Temos de dar muita força ao nosso povo irmão porque o Brasil é um país irmão, temos uma comunidade brasileira muito grande em Portugal e também temos muitos portugueses no Brasil. Esperemos que se evite o regresso de um ex-presidiário a Presidente do Brasil", defende à TSF Pedro Pinto.

"Vontade de mudança." PCP diz que Brasil quer "retomar" e "aprofundar" caminho de "progresso social"

Sandra Pereira, eurodeputada do PCP, admite que os resultados das eleições no Brasil não são o esperado, mas provam que há vontade de mudança.

"O ambiente está muito centrado no presidente, mas a verdade é que esta coligação também foi pensada para ter um suporte quer no Senado, quer depois nos outros orgãos e isso, de facto, não está a acontecer", disse à TSF Sandra Pereira.

A eurodeputada considerou que o povo brasileiro está "com vontade de retomar e aprofundar um caminho de progresso social e desenvolvimento, que tinha sido aberto com a primeira eleição de Lula da Silva, em 2002, e que foi interrompido, em 2016". "Este resultado não deixa dúvidas de que há aqui uma vontade de mudança", sublinhou.

Em caso de vitória, BE espera que Lula reponha os apoios sociais

Joana Mortágua considera que o grande desafio de Lula da Silva, se vencer na segunda volta, passa por repor os apoios sociais.

"Aqui a questão vai ser, no meio de uma crise de inflação, que medidas vai tomar para combater a desigualdade, conseguir recuperar o nível de rendimentos das famílias, sobretudo das famílias pobres, para conseguir voltar a regular o mercado de trabalho, para que o mercado que existe não seja informal, precário e mal pago e para conseguir controlar os problemas da inflação", explicou à TSF Joana Mortágua.

"Não há como subestimar" as eleições brasileiras

O deputado do Livre Rui Tavares considera que as eleições do Brasil são a prova da força da democracia brasileira e que o resultado da votação vai ter reflexos em todo o mundo.

"Não há como subestimar a importância que estas eleições têm. Elas podem ser um revés para a vaga populista que começou em 2016, com o Brexit e com Trump, e que depois se reforçou em 2018, com Bolsonaro. Elas são muito importantes em termos de democracia e direitos humanos, mas também pela velocidade do desmatamento na Amazónia, que aumentou muito e pelo impacto global que isso tem", afirmou à TSF Rui Tavares, sublinhando que estas "são umas eleições muito importante para o mundo".

Bolsonaro elege oito senadores e terá a maior bancada

O partido do Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, conseguiu eleger oito senadores dos 27 lugares que estavam em disputa na eleição de domingo e deverá iniciar 2023 com a maior bancada da câmara alta, o senado brasileiro.

Ao todo, o campo político aliado ao 'bolsonarismo' conseguiu eleger 18 senadores.

No domingo foi a votos um terço do senado.

Somente sete dos eleitos para o senado, segundo a imprensa local, são simpatizantes do campo político do ex-Presidente Lula da Silva.

LER MAIS

"Faltam apenas 1,7% para concluir a eleição." Lula "deverá vencer o segundo turno"

Em jeito de balanço de campanha, o número dois de Lula, Geraldo Alckmin, explicou, em entrevista à TSF, o que falhou para o candidato do Partido dos Trabalhadores (PT) não ter alcançado os 50% na primeira volta das eleições brasileiras.

"Nós tínhamos pesquisas que davam 50% já no primeiro turno e outras que davam 49%, 48%. Tivemos 48,3%, faltou 1,7%. O Brasil tem muitos partidos e muitos candidatos. É preciso somar os 10 candidatos para ganhar no primeiro turno, não é fácil. As últimas eleições foram em dois turnos, mas Lula deverá vencer o segundo turno até porque tem rejeição menor do que o atual presidente e porque faltam apenas 1,7% para concluir a eleição", afirmou Geraldo Alckmin, garantindo que Lula vai agora em busca da maioria absoluta.

LER MAIS

"Bolsonaristas" revoltados com ida à segunda volta

Apoiantes do Presidente brasileiro ouvidos pela Lusa à porta do Palácio da Alvorada, em Brasília, manifestaram "revolta" pelo resultado das eleições presidenciais que determinaram uma segunda volta entre o atual chefe de Estado e Lula da Silva.

LER MAIS

Apoiantes de Lula da Silva manifestam confiança em vitória na segunda volta

Apoiantes do ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva manifestaram confiança na vitória do candidato 'petista' na segunda volta das eleições que disputará contra o Presidente, Jair Bolsonaro, depois da contagem de votos do sufrágio no domingo.

LER MAIS

Resultados da primeira volta das eleições brasileiras (99,93%)

Lula da Silva - 48,41% (57.202.678 votos)

Jair Bolsonaro - 43,21% (51.059.112 votos)

Simone Tebet - 4,16% (4.914.387 votos)

Brasil quer mudar? "Há mudanças para pior", avisa Bolsonaro

Jair Bolsonaro fala em muitos votos associados à escalada da inflação e “vontade de mudar”.

"Mas há muitas mudanças que podem vir para pior", alerta o Presidente brasileiro em conferência de imprensa, onde surge vestido de camisa negra.

“Vencemos a mentira no dia de hoje”, afirma o Presidente brasileiro, lembrando que as sondagens previam uma vitória de Lula à primeira volta.

“Vamos mostrar melhor à população brasileira" que o país está a enfrentar dificuldades associadas a fatores externos, como a guerra e a pandemia, e "que a mudança que porventura alguns querem pode ser pior".

Todos os países da América do Sul que se mudaram de governações para a esquerda sofreram consequências a nível económico, alega. "Preocupa-me o brasil perder a sua liberdade. O Brasil caminhar com a esquerda nos caminhos da Venezuela, Argentina, Chile, Nicarágua.”

Bolsonaro espera voltar para a rua em campanha a partir de terça-feira, mas sem garantias: “ainda nem achei namorada para casar e já querem saber o nome da criança”, ironiza.

Se perder "vou cuidar da minha vida"

O Presidente brasileiro foi várias vezes questionado se considera que existiu fraude eleitoral, mas evitou sempre responder.

Quando um jornalista tentou insistir na pergunta, levantando a voz, Bolsonaro respondeu-lhe apenas: “Não grite, seja educado”.

Acabou, mais à frente na conversa, por prometer aceitar os resultados caso saia derrotado, desta ou de uma próxima eleição.

"Quando não for reeleito vou cuidar da minha vida, tenho 67 anos" e duas "aposentadorias".

"Mas acho que posso dar um pouco mais de mim pela minha pátria."

Por outro lado, Bolsonaro afirma estar a aguardar "o parecer da defesa" face a eventuais situações de fraude, uma vez que não exclui a possibilidade de manipulação das urnas eletrónicas.

Lula vence Bolsonaro em Lisboa e no Porto com larga margem

O candidato presidencial Lula da Silva venceu as eleições em Lisboa, e no Porto com uma grande vantagem, de acordo com os dados do Comité Lula Presidente Portugal.

Segundo dados divulgados por aquela oranização aos jornalistas, quando estavam apurados os resultados totais de 57 das 58 urnas colocadas para a votação em Lisboa - e com a última urna já parcialmente apurada -, o antigo presidente do Brasil e candidato às eleições presidenciais contava com 12.153 votos e o seu opositor, o atual Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, com 6.068 votos.

Também de acordo com dados do Comité Lula Presidente Portugal, Luiz Inácio Lula da Silva venceu a primeira volta das eleições no Porto, com 8.703 votos contra os 4.310 que obteve Jair Bolsonaro, o segundo mais votado, já com o total e resultados apurados.

Em Faro, Lula da Silva venceu também as eleições com 873 votos, seguido de Bolsonaro com 730 votos.

Simone Tebet promete anunciar apoio para a segunda volta

A candidata presidencial Simone Tebet deu um prazo de 48 horas aos partidos que a apoiam para que definam o seu voto na segunda volta e prometeu que irá tornar pública a sua decisão.

"Eu já tenho lado, não me vou acovardar", disse Simone Tebet, que ficou em terceiro lugar. "É preciso que os partidos se posicionem o mais rápido possível."

Enquanto Bolsonaro conversava com os jornalistas um grande grupo de apoiantes formava-se alguns metros atrás de si. A conferência de imprensa acabou por ser interrompida por gritos de apoio e o Presidente deixou os jornalistas para ir cumprimentar a multidão.

Bolsonaro defende postura na Covid

Muitos perderam poder de compra "por conta do fica em casa" durante a pandemia, aponta Bolsonaro, lembrando que sempre se opôs à medida, ao contrário dos outros chefes de Estado mundiais.

E "o povo só não passou fome" graças ao apoio do Estado, reforça.

"A luta continua até à vitória final." Lula diz que "adora campanhas" e fala em "apenas uma prorrogação"

No discurso perto da publicação final dos resultados da primeira volta nas eleições no Brasil, Lula da Silva indicou que os mesmos se tratam como "apenas uma prorrogação" de uma vitória, adiada para a segunda volta.

"Quem sabe, para desgraça de alguns, tenho mais trinta dias de campanha", referiu o candidato do PT numa declaração aos seus apoiantes, anunciando que começará a visitar vários estados brasileiros já esta segunda-feira.

"Se ganhasse no primeiro turno ia tirar três dias e fazer uma lua de mel", confessou Lula.

Para o candidato mais votado na primeira volta das eleições brasileiras, o estado de São Paulo será um dos locais mais importantes para a decisão final no sufrágio.

"Nunca ganhei uma eleição no primeiro turno", recordou Lula da Silva, referindo-se às campanhas passadas em que participou e venceu.

LER MAIS

Resultados com 95,04% das urnas apuradas:

Lula da Silva - 47,63% (53.533.173 votos)

Jair Bolsonaro - 43,88% (49.319.108 votos)

Simone Tebet - 4,24% (4.766.465 votos)

Tudo mudou aos 70%. Lula vence Bolsonaro por pouco e Brasil vai à segunda volta

Jair Bolsonaro arrancou na liderança mas uma reviravolta acabou por dar uma curta vitória a Lula da Silva. Ambos vão voltar a disputar a presidência no dia 30 de outubro.

LER MAIS

Uma vitória que sabe a pouco

No Brasil, rodeado por apoiantes de Lula da Silva, o jornalista Ricardo Oliveira Duarte, em serviço especial para a TSF, na Bahia, fala de um ambiente tanto de festa como de desilusão.

Ouça aqui a Reportagem TSF:

Ciro Gomes "profundamente preocupado com ameças" ao país

O candidato presidenciais Ciro Gomes disse estar "profundamente preocupado com o que está a acontecer no Brasil" e considerou haver "uma situação potencialmente ameaçadora" ao futuro do país.

Numa curta declaração feita junto da sua família, em Fortaleza, Ciro Gomes disse lamentar as "muitas ameaças" que considera que o Brasil enfrenta, e pediu mais tempo para pensar no seu próprio futuro.

"Nunca vi uma situação tão complexa, tão desafiadora e potencialmente ameaçadora sobre a nossa sorte enquanto nação. Deem-me mais algumas horas para falar com o meu partido, com os meus amigos, para ver como mais bem servir a nação brasileira", pediu, antes de abandonar o palco.

"Uma notícia ruim." Candidato à presidência comenta resultados na TSF

O candidato do partido NOVO, Felipe D'Avila, não vai apoiar nem Lula da Silva nem Jair Bolsonaro caso se confirme uma segunda volta das eleições.

Em declarações em direto na emissão especial da TSF, o candidato explica que não pretende apoiar nenhum dos opositores porque a sua candidatura pretendia ser precisamente uma alternativa a esta polarização Lula-Bolsonaro, que considera “muito nefasta para o Brasil”.

Ouça aqui a entrevista:

O prolongamento da eleição para uma segunda volta é "uma notícia muito ruim porque o Brasil já estava polarizado”, e ficará ainda pior, tanto a nível político como económico e social.

“Teremos uma eleição muito disputada, esta polarização vai manter-se no segundo turno, não sei como migrarão os votos.”

Tarcísio e Haddad disputam segunda volta

A eleição para o governo de São Paulo será decidida à segunda volta entre Tarcísio de Freitas (Republicanos) e Fernando Haddad (PT).

Tarcísio obteve 42,59% dos votos e o antigo candidato à presidência 35,46%% dos votos.

Sérgio Moro eleito senador

O antigo juiz e ex-ministro da Justiça Sérgio Moro foi eleito senador pelo estado do Paraná, com 34% dos votos.

Cláudio Castro reeleito governador no Rio de Janeiro

O bolsonarista Cláudio Castro foi reeleito governador do Rio de Janeiro no primeira volta.

Resultados com 90,26% das urnas apuradas:

Lula da Silva - 47,12% (50.181.166 votos)

Jair Bolsonaro - 44,32% (47.206.466 votos)

Simone Tebet - 4,30% (4.577.677 votos)

Apoiantes de Lula da Silva festejam reviravolta nos resultados em frente ao hotel em que o petista está hospedado em São Paulo


Foto: Ernesto Benefides/AFP


Foto: Caio Guatelli/AFP

Resultados com 60,33% das urnas apuradas:

Jair Bolsonaro - 46,01% (32.049.235 votos)

Lula da Silva - 45,20% (31.484.583 votos)

Simone Tebet - 4,50% (3.135.253 votos)

LULA ULTRAPASSA BOLSONARO

Resultados com 70% das urnas apuradas:

Lula da Silva - 45,74% (37.265.102 votos)

Jair Bolsonaro - 45,51% (37.074.784 votos)

Simone Tebet - 4,45% (3.627.005 votos)

Junto à casa de Jair Bolsonaro, em em Brasília, muitos apoiantes do Presidente começaram a gritar "fraude!"


Foto: Carl de Souza/AFP

Projeção aponta para segunda volta entre Lula e Bolsonaro

Lula da Silva e Jair Bolsonaro devem disputar a segunda volta das eleições no Brasil no próximo dia 30 de outubro, avança o Datafolha, do jornal Folha de São Paulo.

Resultados com 82,55% das urnas apuradas:

Lula da Silva - 46,53% (45.088.061 votos)

Jair Bolsonaro - 44,81% (43.427.472 votos)

Simone Tebet - 4,37% (4.234.228 votos)

Associação Nacional de Jornais condena retirada de notícia por conteúdo "inverídico"

A Associação Nacional de Jornais (ANJ) do Brasil criticou a decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que ordenou a retirada de uma notícia sobre a preferência do líder de um dos maiores grupos criminosos pela vitória de Lula da Silva.

"A Constituição é clara ao não admitir censura à imprensa; a legislação brasileira conta com uma série de mecanismos para dirimir eventuais abusos na liberdade de expressão, mas nele não se encontra a censura", disse o presidente executivo da ANJ (Associação Nacional de Jornais), Marcelo Rech, em declarações ao jornal brasileiro Folha de São Paulo, nas quais vincou que é "lamentável, portanto, a decisão, que contraria frontalmente a Constituição".

LER MAIS

Resultados com 52,21% das urnas apuradas:

Jair Bolsonaro - 46,31% (27.737.249 votos)

Lula da Silva - 44,86% (26.873.309 votos)

Simone Tebet - 4,53% (2.712.383 votos)

Ainda há filas para votar em várias cidades

Mais de duas horas depois do encerramento dos acessos aos locais de votação (quem estivesse na fila aquando o fecho das urnas podia votar) ainda há eleitores à espera em várias cidades brasileiras, incluindo Rio de Janeiro.

Resultados com 41,19% das urnas apuradas:

Jair Bolsonaro - 47,01% (22.028.936 votos)

Lula da Silva - 44,16% (20.693.810 votos)

Simone Tebet - 4,55% (2.131.793 votos)

Ex-ministro da justiça à frente no Paraná

Com 50% das urnas apuradas para o Senado do Paraná, o ex-juiz e ex-ministro da Justiça Sergio Moro lidera com 34,82%.

Site de partido de Bolsonaro alvo de ataque informático

O site do Partido Liberal, de Jair Bolsonaro, esteve indisponível durante parte do dia na sequência de um ataque informático, escreve a Folha de S. Paulo.

De acordo com o jornal, a página esteve em baixo entre as 10h00 da manhã até às 17h45 (hora de São Paulo).

Resultados com 30,93% das urnas apuradas:

Jair Bolsonaro - 47,58% (16.620.415 votos)

Lula da Silva - 43,63% (15.242.970 votos)

Simone Tebet - 4,54% (1.586.840 votos)

Resultados com 20,28% das urnas apuradas:

Jair Bolsonaro - 47,91% (10.907.231 votos)

Lula da Silva - 43,34% (9.868.672 votos)

Simone Tebet - 4,52% (1.030.134 votos)

Bolsonaro lidera com um quarto dos votos apurados

Jair Bolsonaro lidera as votações nas eleições presidenciais, com 47,74% dos votos, seguido por Lula da Silva (com 43,49% dos votos), quando estão contados mais de 25% dos votos. Bem mais atrás está Simone Tebet, com 4,54% dos votos.

LER MAIS

Resultados com 13,21% das urnas apuradas no país

Jair Bolsonaro - 48,02% (7.098.087 dos votos)

Lula da Silva - 43,24% (6.391.749 votos)

Simone Tebet - 4,53% (669.098 votos)

Urnas eletrónicas falharam em vários países

Cinquenta urnas eletrónicas tiveram de ser trocadas pela votação em boletins de papel em 16 países, revela o Tribunal Regional Eleitoral do Distrito Federal, responsável pela organização da eleição no estrangeiro.

Os países que registram mais problemas técnicos foram o Japão (12), Estados Unidos (10), Itália (4), Portugal (3), Espanha (3) e Áustria (3).

Houve ainda casos em que urnas não foram instaladas a tempo ou nem chegaram aos locais de votação, como aconteceu na Guatemala, Israel e Filipinas.

Três estados descisivos

As campanhas de Lula e Jair Bolsonaro aguardam ansiosamente os resultados em vários estados-chave, como São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro.

Se as últimas sondagens dos institutos Datafolha e Ipec se confirmarem, Lula sairá vencedor nestes estados, os três maiores colégios eleitorais do país.

Resultados com 6,06% das urnas apuradas:

Jair Bolsonaro - 48,74% (3.307.835 votos)

Lula da Silva - 42,29% (2.869.894 votos)

Simone Tebet - 4,68% (317.675 votos)

Bolsonaro vence na primeira cidade a fechar contagem

O município de Ponte Alta do Norte, no estado de Santa Catarina, foi o primeiro local do país a concluir a contabilização dos votos nas eleições deste domingo.

Segundo dados do Tribunal Superior Eleitoral, 2.015 eleitores dos cerca de 3.426 habitantes foram às urnas neste município, que registou 1.900 votos válidos.

A maioria do eleitorado de Ponte Alta (50,21%), votou em Bolsonaro, contra 44,4% que votou em Lula.

Jair Bolsonaro também já votou: "Eleições limpas têm de ser respeitadas"

O Presidente do Brasil e recandidato também já exerceu o direito ao voto. Vestido com uma camisola com as cores do Brasil, Bolsonaro votou no Rio de Janeiro na Escola Municipal Rosa da Fonseca.

Aos jornalistas de rosto mais fechado do que o seu adversário, atirou: "eleições limpas têm de ser respeitadas".

Mas questionado diretamente sobre se vai respeitar as eleições, seja qual for o resultado, o Presidente brasileiro não respondeu.

Mostrou-se confiante na vitória "já no primeiro turno". "A expectativa é de vitória hoje. Nesses 45 dias, fui praticamente em todos os estados do Brasil. Ontem, em Joinville, algo nunca visto no Brasil, tanta gente na rua. Eleições limpas, sem problema nenhum", declarou.

Lula da Silva já votou: "É um dia mais do que importante para mim"

Lula da Silva, candidato às eleições gerais do Brasil, exerceu o direito de voto na Escola Estadual Dr. João Firmino Correia de Araújo, em São Paulo.

Visivelmente animado, o antigo Presidente, que as sondagens apontam como possível vencedor destas eleições, tirou selfies e deixou-se fotografar.

"Primeiro, é um dia mais do que importante para mim. Não poderia deixar de dizer para vocês que há quatro anos atrás não podia votar", começa por dizer Lula aos jornalistas, assinalando que fora "vítima de uma mentira".

"Estava detido exatamente no dia da eleição (...) Quatro anos depois estou aqui, a votar, com reconhecimento da minha total liberdade e com a possibilidade de voltar a tentar ser Presidente da República do país, para tentar fazer o país voltar à normalidade, para tentar fazer que o país cuide do seu povo, a ter salário, educação, saúde, respeito com cada um ser humano", disse.

"Que nunca mais o Brasil tenha um Presidente que permita que morra tanta gente por falta de responsabilidade. Vamos ter que cuidar desse país. Esse país precisa recuperar o direito de ser feliz. Queremos um país que viva em paz e em segurança. Essa é a eleição mais importante para mim. (...) Estou muito, muito feliz. Tudo o que o povo deseja é voltar a ser feliz".

LER MAIS

Resultados com 1,08% das urnas apuradas:

Jair Bolsonaro - 48,37%

Lula - 41,37%

Simone Tebet - 5,22%

LER MAIS

Contestação do resultado? Bolsonaro recolhe provas da alegada parcialidade do Tribunal Superior Eleitoral

A campanha de Jair Bolsonaro está a recolher vários episódios que demonstram, alegadamente, parcialidade do Tribunal Superior Eleitoral contra o presidente brasileiro durante a votação deste domingo.

Estes casos poderão servir de base para a contestação do resultado, em caso de derrota de Bolsonaro, avança a Folha de São Paulo.

LER MAIS

Urnas eletrónicas quase sem falhas

Foi preciso substituir 3.222 urnas eletrónicas, o equivalente a apenas 0,60% das 535.260 máquinas utilizadas em todo o país, avança o Tribunal Superior Eleitoral, citado pelo jornal Estadão.


Foto: Miguel Schincariol / AFP

Urnas começam a fechar em Lisboa

Após duas horas de prolongamento autorizadas pelo Tribunal Superior Eleitoral, as urnas em Lisboa começaram a fechar às 20h00. Quem estiver na fila vai poder votar quando chegar a sua vez.

ARRANCA A EMISSÃO ESPECIAL TSF

Acompanhamos a noite eleitoral com uma emissão especial na antena da TSF. Ouça aqui

Bolsonaro vence em Israel e Lula na Palestina

Jair Bolsonaro foi o mais votado pelos brasileiros em Israel, com 45,97% dos votos válidos,contra 39,36% de Lula, escreve a Folha de São Paulo.

Já na Palestina, a votação foi esmagadoramente pró-Lula: 84,8% dos votos foram para o petista contra 7,4% em Bolsonaro.

Eleições no Brasil. Veja aqui as imagens do dia


Foto: Ueslei Marcelino/Reuters

Primeiros resultados disponíveis com 0,09% das urnas apuradas:

Lula - 51,15%

Jair Bolsonaro - 36,77%

Ciro Gomes - 5,11%

Filas longas para votar em vários estados brasileiros

Também no Brasil, os eleitores que ainda estejam na fila à hora de fecho das urnas -- 17h00 de Brasília (21h00 em Lisboa) -- vão poder votar, independente do tempo de espera a partir da chegada, reforçou o Tribunal Superior Eleitoral, citado pela imprensa brasileira.

Segundo o canal Globo, em alguns estados, como Rio Grande do Norte, houve quem dissesse ter ficado até quatro horas na fila.

"Uma bagunça" na fila para votar

"Hoje o povo brasileiro acordou com tudo em Portugal e vemos representação da nossa nação em peso. Nunca tinha visto em nenhuma eleição tantos eleitores como. Hoje, o Brasil está de parabéns”, diz um eleitor à TSF, enquanto esperava pela sua vez de votar em Lisboa.

Muitos queixam-se da falta de organização: “A Fila está uma bagunça aqui fora, nós lhe eu cheguei aqui às 11h30 e nenhuma metade da fila estou ainda. Nem sei a que horas vou sair daqui hoje”, lamenta outro eleitor. “Se isso se for tem segundo turno alguém tem de tomar providência.”

“Eu peço em nome do meu Brasil, que haja organização na Embaixada do Brasil aqui em Portugal, para que todos nós possamos exercer o nosso direito do voto”, apela uma eleitora.

Ouça aqui a reportagem:

Mais de duas horas à espera para votar

Centenas de pessoas continuam na fila para votar em Lisboa. O tempo de espera para votar ronda as duas horas e meia.

O ambiente é de festa, com cânticos e gritos de apoio aos dois principais candidatos, sendo fácil distinguir quem volta Bolsonaro e quem vota Lula: os primeiros foram a às urnas vestidos de amarelo, os segundos saíram à rua com a cor do PT: vermelho.

Ouça aqui a reportagem de Filipe Santa-Bárbara no local:

Lula vence na Finlândia

Boletins de urna da Finlândia indicam que Lula foi o candidato mais votado no país, seguido de Jair Bolsonaro, revela a Globo.

Eleitor vota duas vezes em Lisboa e obriga a impugnação de urna com 59 votos

O cônsul-geral do Brasil em Lisboa disse que duas urnas tiveram de ser substituídas por problemas técnicos e uma outra foi impugnada com a anulação dos 59 votos, porque um cidadão votou duas vezes.

LER MAIS

Ciro Gomes não vai recandidatar-se

O candidato a Presidente Ciro Gomes (PDT) já votou, na Praia de Iracema, em Fortaleza. Aos jornalistas no local, disse que esta deve ser sua última eleição como candidato, ganhando ou perdendo.

Jarbas Oliveira/EPA

Polícia brasileira regista 474 crimes eleitorais

O Brasil registou 474 crimes eleitorais, segundo último boletim da Polícia Federal divulgado pelo Ministério da Justiça do país, neste domingo, quando 156 milhões de eleitores participam do sufrágio numa votação que transcorre em clima de tranquilidade.

LER MAIS

Brasileiros chamados às urnas. Siga na TSF a primeira volta das eleições gerais

O Brasil vai este domingo a votos na primeira volta das eleições gerais que irão escolher o próximo Presidente do país, os governadores dos 27 estados e centenas de deputados federais e estaduais. Em Portugal, mais de 80 mil brasileiros já votam desde as 8h00 em Lisboa, no Porto e em Faro.

Além de Lula da Silva e Jair Bolsonaro, concorrem também às presidenciais brasileiras os candidatos Ciro Gomes, Simone Tebet, Luís Felipe D'Ávila, Soraya Tronicke, Eymael, Padre Kelmon, Leonardo Pericles, Sofia Manzano e Vera Lúcia.

Acompanhe o dia eleitoral aqui na TSF, que arranca com uma emissão especial às 20h00, uma hora antes de as urnas encerrarem no Brasil.

LER MAIS

Lula vence na Austrália e Nova Zelândia, Bolsonaro vence em Timor-Leste

Lula da Silva foi o candidato às Presidenciais brasileiras mais votado na Austrália e na Nova Zelândia, enquanto o atual chefe de Estado, Jair Bolsonaro, repetiu a vitória de 2018 em Timor-Leste, segundo resultados provisórios.

LER MAIS

Urnas já abriram no Brasil

As urnas abriram este domingo para 156 milhões brasileiros às 8h00 de Brasília (12h00 em Lisboa) e encerram às 17h00, o que obrigará cidades localizadas em fusos horários diferentes a adequarem o horário de votação.

Uma eventual segunda volta das eleições está marcada para 30 de outubro.

Mas de acordo com uma sondagem divulgada este sábado pelo instituto Datafolha, Lula da Silva poderá vencer as eleições presidenciais logo à primeira volta, com 50% dos votos.

Lula da Silva deverá votar na Escola Estadual Dr. Joao Firmino Correia de Araújo, em São Paulo, por volta das 08h30. À tarde, o ex-presidente brasileiro segue para o Novotel Jaraguá, na cidade paulista, onde acompanhará a votação.

Já o Presidente brasileiro vota por volta das 09h30 locais no Rio de Janeiro na Escola Municipal Rosa da Fonseca, e deverá seguir para o Palácio da Alvorada, em Brasília, para acompanhar o processo eleitoral.

"Que a democracia seja feita." Brasileiros em Lisboa fazem fila para votar

Os brasileiros residentes em Portugal que votam em Lisboa deslocaram-se em massa às urnas às primeiras horas da manhã, formando uma longa fila na Cidade Universitária, com esperança de evitar uma segunda volta das eleições presidenciais.

À hora de abertura das urnas, às 08h00, na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, já uma longa fila se formava à porta, com as primeiras pessoas a chegar ao local pelas 05h00, segundo relataram à Lusa agentes da Polícia de Segurança Pública à porta da faculdade.

Para Marcelo Resende, que votou pela primeira vez em Portugal, a grande afluência de brasileiros às urnas em Lisboa foi "uma surpresa".

"Aqui a fila é bastante, mas não para, está sempre andando", disse à Lusa o jovem, que votou "para mudar o curso do Brasil".

"Que a democracia seja feita, que possamos mudar o curso do Brasil, que as coisas melhorem. [...] Creio que este Presidente atual [Jair Bolsonaro] não fez o que era suposto ser feito para a população brasileira, creio que a mudança é o melhor para a gente ver como é que correm ou não as coisas", defendeu Marcelo Resende à saída da faculdade depois de votar.

Relacionados

Veja Também

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG