Inflação em Espanha foi 10,8% em julho, a mais alta em 38 anos

A subida dos preços dos alimentos e das bebidas não alcoólicas é a maior desde janeiro de 1994.

PorLusa
© Pau Barrena/AFP

A inflação em Espanha foi de 10,8% em julho, o valor mais alto em 38 anos, desde setembro de 1984, divulgou esta sexta-feira o instituto nacional de estatística (INE) espanhol.

Em junho, a inflação em Espanha tinha sido 10,2%, menos seis décimas do que o valor de julho.

Sem os preços dos alimentos não elaborados e da energia (inflação subjacente), a variação dos preços no mês passado foi 6,1%, em relação a julho de 2021, a mais alta desde janeiro de 1993, segundo os dados revelados pelo INE de Espanha

O instituto confirmou, assim, as estimativas da inflação no país no mês passado que tinha avançado há algumas semanas, em 29 de julho.

Para este aumento dos preços, comparando com o mesmo mês de 2021, contribuíram, sobretudo os valores da eletricidade (23% mais cara), do vestuário e do calçado (mais 5%) e dos alimentos e das bebidas não alcoólicas (mais 13,5%).

A subida dos preços dos alimentos e das bebidas não alcoólicas é a maior desde janeiro de 1994.

O INE espanhol destaca, neste capítulo, os aumentos da carne, leite, queijos e ovos "frente à estabilidade do ano passado", do pão e cereais, "maiores este ano do que em 2021", e dos legumes e hortaliças, "que tinham descido em julho do ano passado".

Relacionados

Veja Também

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG