Ano de 2020 foi o mais quente de sempre na Ásia. Attenborough lembra que é tempo de agir

David Attenborough alerta que cada dia que passa sem se fazer nada é um dia perdido e apela à responsabilidade dos líderes mundiais.

O ano passado foi o mais quente de sempre na Ásia. A conclusão é do relatório das Nações Unidas sobre o clima no continente asiático. Os investigadores dizem que as alterações climáticas provocaram a perda de milhares de vidas, em 2020. Milhões de pessoas foram deslocadas e os prejuízos chegaram quase aos 200 mil milhões de euros na China e 70 mil milhões na Índia e no Japão. O relatório é conhecido a poucos dias da cimeira do clima, em Glasgow, na Escócia. Na contagem decrescente para a cimeira, o naturalista mais famoso do planeta, David Attenborough, deixa um aviso aos lideres mundiais: se não agirmos agora, será tarde demais.

O alerta com caráter de urgência é deixado por David Attenborough, em entrevista à BBC. O naturalista que vai estrear o documentário "O planeta verde" na cimeira do clima avisa para uma catástrofe, se não houver resultados da cimeira: "Penso que seria catastrófico se as nações mais poderosas do mundo simplesmente ignorassem estes problemas. Não podemos ficar de braços cruzados. Fomos nós que provocámos isto."

David Attenborough alerta que cada dia que passa sem se fazer nada é um dia perdido e apela à responsabilidade dos líderes mundiais.

"O nosso tipo de industrialização é um dos principais fatores que leva a estas alterações no clima. Por isso, temos uma responsabilidade moral. Mesmo que o não tivéssemos provocado, teríamos a responsabilidade moral de fazer alguma coisa por milhares de homens, mulheres e crianças que perderam tudo", sustenta.

O naturalista, conhecido pelos documentários sobre o ambiente, afirma que há pessoas que ainda negam as evidências, mas o último relatório da ONU mostra que é inegável.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de