Antigos líderes mundiais apelam ao G7: são preciso 54 milhões de euros para vacinar países pobres

O grupo de 230 líderes inclui o antigo primeiro-ministro britânico Tony Blair, a ex-Presidente da Irlanda Mary Robinson, o antigo secretário-geral da ONU Ban-ki Moon ou o antigo primeiro-ministro do Paquistão Shaukat Aziz. São necessários 66 mil milhões de dólares (54.266 milhões de euros) para que as vacinas cheguem a todo o mundo.

Um grupo de 230 antigos líderes mundiais, incluindo uma centena de ex-primeiros-ministros, apoiou uma petição promovida pela organização humanitária "Save the Children" para que os países do G7 financiem a vacinação contra a Covid-19 nas regiões mais pobres.

Gordon Brown, chefe do Governo britânico entre 2007 e 2010, é um dos impulsionadores da iniciativa, na qual participam, entre outros, o também antigo primeiro-ministro britânico Tony Blair, a ex-Presidente da Irlanda Mary Robinson, o antigo secretário-geral da ONU Ban-ki Moon ou o antigo primeiro-ministro do Paquistão Shaukat Aziz.

Antes da reunião desta semana dos líderes do G7 (sete países mais industrializados do mundo) na Cornualha, a organização "Save the Children" salientou num comunicado que são necessários 66 mil milhões de dólares (54.266 milhões de euros) para que as vacinas cheguem a todo o mundo.

A organização internacional exige que os países mais desenvolvidos (Estados Unidos, Reino Unido, França, Alemanha, Itália, Canadá e Japão, e União Europeia) contribuam para essa despesa "de acordo com a dimensão das suas economias".

"Que o G7 pague não é um ato de caridade, é uma forma de autoproteção, para deter a expansão da doença, evitar que (o vírus) sofra mutações e volte para nos ameaçar a todos", disse Gordon Brown.

O antigo primeiro-ministro estimou que o financiamento necessário equivale a 35 cêntimos por cada pessoa do Reino Unido por semana.

"É um pequeno preço a pagar pelo melhor seguro do mundo", disse Gordon Brown, acrescentando que "a poupança conseguida com a vacinação terá atingido nove mil milhões de dólares (7,4 mil milhões de euros) em 2025".

A organização "Save the Children" sublinha que enquanto no Reino Unido mais de 75% dos adultos já receberam pelo menos uma dose da vacina contra o coronavírus, em grande parte da África subsariana o nível de pessoas que foram imunizadas não é superior a 2%.

O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, anunciou no sábado que vai apelar aos líderes do G7 para unirem esforços para ajudar a vacinar o mundo inteiro contra a Covid-19 até ao final de 2022.

"Apelo aos meus colegas líderes do G7 para que se unam para pôr fim a esta terrível pandemia e prometo que não permitiremos que a devastação provocada pelo coronavírus se repita", afirmou o líder do Executivo britânico.

Com o país a acolher a cimeira entre os dias 11 e 13 deste mês, Boris Johnson defendeu que o encontro - o primeiro após o surgimento da pandemia - é uma "oportunidade crucial" para aproveitar a experiência das democracias mais influentes do mundo para ultrapassar a pandemia e impulsionar a recuperação económica.

"Save the Children" é uma organização não governamental de defesa dos direitos da criança que tem sede em Londres.

LEIA TUDO SOBRE A PANDEMIA DE COVID-19

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de