Apanhado na mansão de Epstein. Príncipe André "chocado" com acusações de abusos sexuais

A Justiça norte-americana tem registo de que o milionário manteria relações muito próximas com André, de Inglaterra, o atual Presidente dos EUA, Donald Trump, e o ex-presidente Bill Clinton.

Um vídeo em que o príncipe André de Inglaterra surge à porta da mansão do magnata norte-americano Jeffrey Epstein, em Nova Iorque, foi divulgado pelo jornal britânico The Mail on Sunday. As imagens remontam a dezembro de 2010, e desvelam o príncipe a despedir-se de uma jovem, mas de uma forma resguardada para evitar exposição da privacidade.

Em 2008, Epstein declarou-se culpado numa acusação de prostituição pelo Estado da Flórida, e ficou registado, nessa altura, como um criminoso sexual. A Justiça norte-americana tem registo de que o milionário manteria relações muito próximas com André, de Inglaterra, o atual Presidente dos EUA, Donald Trump, e o ex-presidente Bill Clinton.

O filho da rainha Isabel II reagiu ao vídeo com a rejeição absoluta de que tenha participado nos alegados crimes sexuais em que Jeffrey Epstein terá estado envolvido. "O duque de Iorque ficou chocado com os recentes relatos dos supostos crimes de Jeffrey Epstein", argumenta o Palácio de Buckingham, em comunicado.

"Sua Alteza Real considera deplorável a exploração de qualquer ser humano e a sugestão de que ele tolera, participa ou encoraja qualquer comportamento desse tipo é abominável", acrescenta ainda a Casa Real.

Epstein foi investigado pela primeira vez em 2005, depois de as autoridades de Palm Beach, na Flórida, ter recebido denúncias de que o magnata tinha abusado sexualmente de raparigas menores na sua mansão.

Em 2007, Epstein já enfrentava uma potencial acusação federal por abusar sexualmente de dezenas de meninas entre 1999 e 2007. O milionário norte-americano morreu este mês na prisão.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de

Outros Artigos Recomendados