Apesar do horror e desolação, Rita Dieb não deixa o Líbano

Advogada é hoje doméstica e vive em Beirute.

A luso-guineo-libanesa Rita Dieb não quer deixar o Líbano. Não quer e não vai. Mesmo depois de novo horror e de nova desolação com as explosões de terça-feira em Beirute. Mesmo depois da crise económica, mesmo depois da Covid-19.

A advogada, natural de Mansoa (60 quilómetros a leste de Bissau, capital da Guiné-Bissau, onde nasceu a 09 de outubro de 1971), é hoje doméstica, vive em Beirute e, por sorte, a mais de 10 quilómetros do porto da capital libanesa, onde se registaram as duas explosões que mataram pelo menos 135 pessoas e feriram cerca de cinco mil.

"E há muitos desaparecidos. Muitos mesmo. Há um sem número de pessoas debaixo dos escombros, debaixo dos carros, mortas e ainda encarceradas. Há corpos [a boiar] no mar. É horrível. O ambiente é muito pesado. Há sangue nas ruas, há muitos mortos e parece um cenário de guerra. É incrível. O povo libanês está de luto. Há uma grande consternação e muita dor", disse à agência Lusa Rita Dieb numa entrevista telefónica a partir de Lisboa.

As explosões apanharam-na numa loja próximo de casa, "a 10/15 quilómetros" do local das duas explosões e, depois da primeira, ainda pensou tratar-se de um tremor de terra. Só quando se deu a segunda é que percebeu que não podia ser um sismo. Ainda pensou num eventual ataque militar de Israel, mas só viria a começar a entender o que se passava quase uma hora depois.

"À medida que ia para casa [de carro] apercebi-me do que se estava a passar. Há uma imagem que não me sai da cabeça, que é a das diferentes expressões de profunda tristeza nas caras das pessoas com quem me cruzei no caminho de regresso a casa", contou Rita Dieb, casada com um libanês, com quem tem dois filhos.

À família nada aconteceu. O prédio, conta porque os filhos, de 12 e 14 anos que se encontravam em casa com a avó, o relataram, abanou "fortemente" e as janelas não se partiram porque estavam abertas, mas nada o danificou.

Há 16 anos a viver em Beirute - saiu de Mansoa para Bissau após a independência da então novel Guiné-Bissau, em 1975, e foi viver para o Líbano, pois os pais têm ascendência libanesa -, Rita Dieb disse à Lusa que nunca assistiu a nada como o que aconteceu terça-feira.

"Quando chegámos ao Líbano, começou a guerra civil (1975/90). Refugiamo-nos em Portugal [onde estudou no Colégio de Santa Maria, em Torres Novas, e se formou em Direito pela Universidade Internacional de Lisboa] e regressámos ao Líbano em 2004", indicou, lembrando que, logo a seguir, em fevereiro de 2005, aconteceu o atentado que vitimou o então primeiro-ministro libanês, Rafic Hariri.

"Nunca vi nada assim. Vivemos um momento trágico e negro, uma vez que não há perspetivas de futuro. Que país vamos deixar aos nossos filhos", lamentou Rita Dieb, que lamenta também a pandemia de Covid-19 - "aumentou muito o desemprego" -, a crise energética e económica - "estamos no limiar da bancarrota" - e a fome já visível em muitos cantos da cidade.

"[O Líbano] está a atravessar uma fase complicada, com a hiperinflação - de um dia para o outro, os preços triplicam -, a desvalorização da lira libanesa [80% em relação ao dólar desde o início do ano], a Covid-19 veio agravar ainda mais a situação precária da população. Muitas empresas fecharam, o desemprego subiu bastante e a grande maioria da população está a viver abaixo do limiar da pobreza. E já há fome, muitos a passarem fome", sustentou Rita Dieb, descendente de libaneses.

Apesar do cenário apocalíptico, Rita Dieb garante que não vai deixar o Líbano.

"Ir à procura de um país para viver? Qual? Sofro de uma doença típica dos libaneses e que os guineenses também sofrem: pode ser o pior país do mundo, mas tem o melhor povo do mundo", explicou.

As violentas explosões deverão ter tido origem em materiais explosivos confiscados e armazenados há vários anos no porto da capital libanesa.

O primeiro-ministro libanês, Hassan Diab, revelou que cerca de 2750 toneladas de nitrato de amónio estavam armazenadas no depósito do porto de Beirute que explodiu.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de