"As pessoas estão perdidas." Médicos Sem Fronteiras alertam para guerra esquecida no Iémen
Iémen

"As pessoas estão perdidas." Médicos Sem Fronteiras alertam para guerra esquecida no Iémen

Tópicos chave

Fome, má nutrição, a quase inexistência de cuidados de saúde básicos, isolamento. É a descrição é da chefe de missão dos Médicos Sem Fronteiras no Iémen.

Caroline Ducarme diz que os iemenitas estão perdidos. O país vive em guerra desde 2014 e esta semana foi anunciado um cessar-fogo de dois meses em respeito pelo período do Ramadão. A chefe dos Médicos Sem Fronteiras (MSF) no Iémen afirma que as pessoas estão perdidas e pede à comunidade internacional que não se esqueça do país.

Caroline Ducarme fala de um país em que praticamente não existe assistência médica e quase sem alimentos. "Esta situação já dura há demasiado tempo. Infelizmente há falhas enormes no acesso da população a cuidados de saúde nos hospitais e acabam por sofrer complicações graves, porque não têm acesso aos cuidados primários. Chegam já numa condição muito difícil, muito crítica e é complicado salvá-los. Além disso, não conseguem ter acesso à saúde, vêm de muito, muito longe, chegam depois de várias horas a caminhar, a viajar, porque não conseguem um carro, não conseguem pagar transporte para chegar ao hospital. Tem sido muito difícil."

Caroline Ducarme diz que o período do Ramadão agrava ainda mais a falta de alimento, porque os preços não param de aumentar. "De uma forma geral o acesso a comida é sempre um desafio no Iémen e a má nutrição é uma realidade em muitas regiões. O Ramadão agrava os problemas, porque as pessoas estão em jejum, mas o grande problema é o elevado preço dos alimentos, os preços que continuam a aumentar também como consequência da guerra na Ucrânia."

Em março, já com a guerra na Ucrânia, o secretário-geral das Nações Unidas pediu ao mundo que não se esqueça do Iémen. António Guterres sublinhou que esta guerra não faz manchetes, mas o sofrimento humano continua.

Questionada sobre como é possível viver no país em guerra há oito anos, a chefe de missão dos MSF no Iémen diz que é muito difícil. "As pessoas estão perdidas... é uma situação em que a vida continua, mas as pessoas não conseguem aguentar. No dia-a-dia ouvimos histórias muito tristes, a situação é muito difícil no Iémen."

Caroline Ducarme pede à comunidade internacional para que não esqueça o Iémen. "Os cuidados de saúde têm que continuar a contar com a ajuda humanitária. As pessoas precisam de segurança, de alimentação de qualidade e para sobreviver é necessário continuar a apoiar este país. Independentemente do que acontece no resto do mundo, o Iémen precisa e merece atenção."

Projeto Hajjah

Um conflito e problemas que têm também consequências na saúde mental. Desde 2018 que os Médicos Sem Fronteiras têm, no Iémen, o projeto Hajjah, que oferece apoio psicológico a todos os que sentem afetados por viver num país em guerra. Lais Monteiro Vazami é psiquiatra, faz parte da equipa dos MSF que trabalha neste projeto de saúde mental. "Temos desde casos de ansiedade, até psicoses, depressão, bipolaridade, transtorno de stress pós-traumático, mas em Hajjah a psicose é o que mais vemos."

Um projeto multidisciplinar, conta com psicólogos, médicos, um psiquiatra, um enfermeiro, um farmacêutico, um assistente social e uma tradutora, todos iemenitas.

Lais Monteiro Vazami lamenta que a saúde mental ainda seja vista como algo secundário. "Aqui existe uma ausência muito grande de informação sobre o que são estas doenças, temos que dizer às pessoas que podem procurar ajuda. Existe um estigma muito forte relacionado sobre a saúde mental, o acesso à saúde é dificultado."

O projeto Hajjah é totalmente gratuito e foi fundado em 2018.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de