Ataques a assembleias de voto marcam ínicio das eleiçoes na Argélia

Após mais de dez meses de contestação os argelinos votam esta quinta-feira pelo sucessor do presidente Abdelaziz Bouteflika, mas a jornada eleitoral está longe de ser pacífica.

Duas assembleias de voto na Cabília, norte da Argélia, foram vandalizadas por grupos que se opõem à realização das eleições presidências que se realizam hoje no país. De acordo com a agência France Presse, que cita testemunhas, duas assembleias de voto na cidade de Béjaia, na região da Cabília, foram alvo de atos de vandalismo.

"As urnas de voto e os boletins foram destruídos", disseram habitantes da cidade à AFP que não identificaram os atacantes.

Após mais de dez meses de contestação os argelinos votam hoje pelo sucessor do presidente Abdelaziz Bouteflika, apesar da votação estar a ser encarada como uma manobra política por parte dos poderes instalados no país para salvar o regime.

Cerca de 60 mil assembleias de voto estão a funcionar desde as 08:00 (07:00 em Lisboa) em todo o país, estando a televisão estatal a exibir imagens da participação nas várias regiões da Argélia.

O "Hirak", movimento contra o regime que surgiu no passado dia 22 de fevereiro e que forçou a demissão de Bouteflika em abril, alerta que o poder, nas mãos dos militares, quis organizar estas eleições a "todo o custo".

Para o movimento trata-se de uma "farsa eleitoral" que pretende manter o "sistema no poder desde a independência", 1962 e sobretudo aqueles que controlam a política desde que Bouteflika foi nomeado presidente, há vinte anos.

Os cinco candidatos presidenciais são considerados pela oposição e por grupos de contestação como "filhos do sistema".

Os centros de voto devem encerrar às 19:00 (18:00 em Lisboa) mas a divulgação dos resultados não deve ser comunicada nas primeiras horas após o fecho das urnas.

Em caso de segunda volta, a eleição deve realizar-se nas próximas semanas.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de