"Aumentem os impostos para pessoas como nós." Crise da Covid-19 leva a iniciativa de milionários

Milionários pedem aumento de impostos para os mais ricos para combater crise da Covid-19

O rico cada vez fica mais, e o pobre cada vez fica mais pobre. Uma verdade popular que nem em tempo de crise pandémica deixa de corresponder à realidade.

Segundo dados divulgados pelo jornal britânico The Guardian, o número de multimilionários continua a aumentar, apesar da crise desencadeada pela pandemia de Covid-19. Há mais de 500 mil pessoas classificadas como "ultra ricas" (com fortunas avaliadas em mais de 30 milhões de dólares) e, só em 2020, o homem mais rico do mundo, o fundador da Amazon, Jeff Bezos, já terá arrecadado mais 75 mil milhões de dólares (para uma fortuna total de 189 mil milhões).

No entanto, há um grupo de milionários que quer virar a situação e abdicar de parte da sua riqueza para ajudar a economia a recuperar da crise e combater os efeitos da pandemia sobre as populações menos favorecidas. Na semana em que o G20 estará reunido numa cimeira, este grupo de 83 milionários decidiu dirigir uma carta aos líderes governamentais a pedir um aumento dos impostos sobre os mais ricos.

A redação da carta foi dinamizada pelas organizações Patriotic Millionaires, Oxfam, Human Act, Tax Justice UK, Club of Rome, Resource Justice, and Bridging Ventures. Entre os milionários signatários encontram-se nomes como os de Jerry Greenfield, um dos fundadores da famosa marca de gelados Ben and Jerry's, Abigail Disney, herdeira e sobrinha-neta do criador dos estúdios Walt Disney, e o do cineasta britânico Richard Curtis, que escreveu filmes como "O Amor Acontece" e "O Diário de Bridget Jones".

"Com a Covid-19 a atingir o mundo, milionários como nós desempenham um papel crítico na recuperação do mundo", lê-se na carta, citada pelo The Guardian. "Não somos aqueles que estão nas unidades de cuidados intensivos a tratar dos doentes. Não estamos a conduzir ambulâncias para levar os doentes para os hospitais. Não estamos a reabastecer as prateleiras nos supermercados ou a entregar comida porta a porta. Mas temos dinheiro, montes dele. Dinheiro que é desesperadamente necessário neste momento e que vai continuar a ser necessário nos próximos anos, enquanto o mundo recupera da crise."

Os milionários alertam que os impactos da crise causada pela Covid-19 poderão permanecer por décadas e empurrar milhões de pessoas para a pobreza, pelo que não podem ser resolvidos apenas com caridade. Por isso, apelam aos governos que "reconheçam a desigualdade global", frisando que "o aumento dos impostos sobre os mais ricos e uma maior transparência fiscal a nível internacional são essenciais para uma solução viável a longo prazo".

"Aumentem os impostos para pessoas como nós. Imediatamente. Substancialmente. Permanentemente", urgem.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de