Austrália investiga conspiração da China para infiltrar espião no Parlamento

Um canal de televisão australiano divulgou no domingo o caso em que agentes chineses ofereceram a um vendedor de carros de luxo de Melbourne um milhão de dólares australianos (616.000 euros) para concorrer como candidato a um assento no Parlamento.

As autoridades australianas estão a investigar uma alegada conspiração chinesa para infiltrar um agente no Parlamento australiano, num caso que o primeiro-ministro do país, Scott Morrison, citado esta segunda-feira pelos media locais, considerou "profundamente perturbador e preocupante".

O canal de televisão australiano Nine Network divulgou neste domingo o caso em que agentes chineses ofereceram a um vendedor de carros de luxo de Melbourne, chamado Bo Zhao, um milhão de dólares australianos (616.000 euros) para concorrer como candidato a um assento no Parlamento em Melbourne.

O homem, de 32 anos, foi encontrado morto num quarto de hotel daquela cidade, em março, depois de ter contactado a ASIO, a agência de contraespionagem da Austrália. A polícia não conseguiu determinar a causa da sua morte.

"O Governo nunca esteve tão determinado em manter os australianos livres e a salvo de interferência estrangeira", disse Morrison, citado pela imprensa australiana. "Eu alerto para que não se tire conclusões precipitadas sobre este assunto", sublinhou.

O diretor-geral de segurança da ASIO, Mike Burgess, considerou as acusações graves. "A atividade hostil, desenvolvida por serviços de inteligência estrangeira, continua a representar uma ameaça real à nossa nação e à nossa segurança", apontou. "A ASIO vai continuar a enfrentar e a combater a interferência e a espionagem estrangeira na Austrália", apontou.

O chefe do comité parlamentar para os serviços de inteligência, o deputado Andrew Hastie, pediu uma investigação sobre a morte de Zhao.

"Isso não é apenas dinheiro em troca de favores. Trata-se de uma tentativa, patrocinada pelo Estado, de infiltração no nosso Parlamento, recorrendo a um cidadão australiano, para basicamente geri-lo como um agente de influência estrangeira no nosso sistema democrático", afirmou, em entrevista ao Nine Network.

No início do mês, Hastie disse que ele e o senador James Paterson, membro do Partido Liberal, foram impedidos de entrar na China para uma viagem de estudo, devido a críticas feitas ao Governo chinês anteriormente.

Em Pequim, o porta-voz do ministério chinês dos Negócios Estrangeiros, Geng Shuang, disse esta segunda-feira que alguns políticos, instituições e meios de comunicação australianos "atingiram um estado de histeria e extremo nervosismo".

"Não importa o quão bizarro é o enredo e como os truques são renovados, a mentira é sempre mentira", acusou Geng, em conferência de imprensa. "Nunca estivemos e não estamos interessados em interferir nos assuntos dos outros".

O porta-voz pediu às autoridades e jornalistas australianos que adotem uma atitude saudável em relação à China, no interesse das relações bilaterais, bem como da sua própria "saúde física e mental".

As últimas revelações acontecem dias depois de um alegado espião chinês ter pedido asilo à Austrália em troca de providenciar à ASIO informações secretas sobre como Pequim conduz as suas operações de interferência no exterior e revelar as identidades de altos oficiais da inteligência militar da China a operar em Hong Kong.

Wang Liqiang revelou acusações detalhadas de como a China se infiltrou e perturbou os sistemas democráticos na Austrália, Hong Kong ou Taiwan, e como agiu como funcionário de uma empresa listada em Hong Kong, a China Innovation Investment Ltd.

Num comunicado divulgado na segunda-feira, a empresa revelou que os funcionários da empresa, identificados como Xiang Xin e Kung Xing, foram parados no aeroporto de Taoyuan, em Taiwan, para interrogatório, e que estão a cooperar com os investigadores.

A China tentou desacreditar Wang, dizendo no domingo que ele foi condenado por fraude e é procurado pela polícia de Xangai. "Ele está na Austrália. E temos um Estado de direito na Austrália", disse Morrison sobre Wang, que mora em Sidney com a esposa e filho, mas tem neste momento um visto de turista.

O Governo australiano tem tentado neutralizar a influência da China, proibindo doações por entidades estrangeiras a partidos políticos australianos e toda a interferência estrangeira secreta na política doméstica.

A China absorve cerca de um terço das exportações da Austrália, país rico em recursos naturais.

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de