Austrália quer retomar negociações de acordo de comércio livre com a UE

"Sabemos que, para avançar no acordo, temos que ver um progresso real até março", avançou o primeiro-ministro Anthony Albanese, durante a Cimeira de Madrid.

O primeiro-ministro da Austrália, Anthony Albanese, anunciou esta quinta-feira que vai retomar nos próximos meses as negociações sobre um acordo de livre comércio com a UE.

O líder australiano salientou que a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, manifestou, na quarta-feira, à margem da cimeira da NATO em Madrid, a vontade de que as negociações sejam retomadas em breve.

"Isso significa que haverá mais negociações, a começar em outubro, ou ainda mais cedo. Sabemos que, para avançar no acordo, temos que ver um progresso real até março", disse Albanese, aos jornalistas em Madrid.

O novo primeiro-ministro trabalhista, que tomou posse no final de maio, disse acreditar que as negociações com a UE foram paralisadas pela decisão, do anterior governo conservador australiano, de romper unilateralmente um acordo com uma empresa francesa de fabrico de submarinos.

As negociações com a UE estão paradas há quase um ano, de acordo com o atual executivo, também devido à perceção de que a Austrália estava relutante em medidas contra a emergência climática, algo que Albanese prometeu reverter.

O responsável australiano disse ter falado em Madrid com vários líderes, incluindo o norte-americano, Joe Biden, e o francês, Emmanuel Macron, com os quais se vai reunir, esta semana em Paris, para tentar reparar as relações bilaterais.

Os laços foram prejudicados em setembro de 2021, quando a Austrália rompeu um acordo com o grupo francês Naval para construir uma dúzia de submarinos movidos a diesel, uma decisão pela qual o país vai pagar 555 milhões de euros de compensação.

Albanese disse ter aproveitado o encontro com Macron para "falar sobre os interesses" e os planos da Austrália.

"O mundo percebeu que a Austrália tem uma posição diferente sobre a crise climática. Isso dá à Austrália um lugar à mesa global de oportunidades", acrescentou.

Dias antes de romper o contrato com a empresa francesa, o ex-governo australiano assinou um acordo de defesa com os Estados Unidos e o Reino Unido, através do qual pode ter acesso a submarinos nucleares de tecnologia norte-americana.

O pacto trilateral, conhecido como AUKUS, visa combater a expansão da influência da China na região estratégica do Indo-Pacífico.

Albanese, que prometeu dar mais apoio à NATO e participar em alguns exercícios militares da aliança atlântica no final de 2022, recomendou que Pequim analise "a determinação que existe em todo o mundo" em solidariedade com a Ucrânia, na sequência da invasão russas.

A China "devia condenar a ação da Rússia", disse o primeiro-ministro australiano.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de