Australianos retirados de Wuhan vão ficar de quarentena em ilha isolada

Os australianos que estavam na China terão de passar 14 dias num centro médico na Ilha Christmas, tradicionalmente usada para manter requerentes de asilo e criminosos estrangeiros em processo de deportação.

O Governo australiano anunciou esta quarta-feira que vai retirar os seus cidadãos da cidade chinesa de Wuhan, epicentro do novo coronavírus, para a Ilha Christmas, no Oceano Índico, onde permanecerão em quarentena.

O primeiro-ministro da Austrália, Scott Morrison, anunciou em Camberra que o plano de repatriamento foi finalizado hoje, durante uma reunião do Comité de Segurança Nacional, que vai dar prioridade a crianças e idosos, embora não haja ainda permissão por parte das autoridades chinesas.

Segundo dados oficiais, existem cerca de 600 australianos radicados na província de Hubei, cuja capital é Wuhan, que foi colocada na semana passada sob uma quarentena de facto, com entradas e saídas interditas.

A retirada vai ser coordenada a partir do consulado australiano em Xangai. A companhia aérea Qantas Airways ofereceu-se para fretar um avião.

Os australianos serão colocados sob uma quarentena obrigatória de 14 dias num centro médico autorizado na Ilha Christmas, localizada a cerca de 2.360 quilómetros a noroeste de Perth, no estado da Austrália Ocidental, e tradicionalmente usada para manter requerentes de asilo e criminosos estrangeiros em processo de deportação.

A Nova Zelândia vai trabalhar em conjunto com a Austrália para repatriar os seus cidadãos.

A Austrália registou, até à data, cinco infeções pelo novo coronavírus e recomendou aos seus cidadãos que reconsiderem qualquer viagem à China.

A Comissão Nacional de Saúde anunciou hoje 5.974 casos confirmados de contaminação na China continental, mais 1.400 em relação a terça-feira, e elevaram o número de mortes para 132.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de