Autarca de Irpin visitou Cascais e saiu com a promessa de uma escola que já tem nome

Oleksandr Markushyn conheceu um luso-brasileiro que trouxe a mulher e o filho de um ano de Irpin. Prometeu que, no regresso, a família terá à sua espera uma nova escola.

O centro de emergência de Cascais recebe quem chega da Ucrânia. É difícil notar o que está em falta: há carrinhos de bebés às centenas, brinquedos, grandes camaratas e cobertores. Até há um supermercado diferente.

Carlos Carreiras, presidente da autarquia, conduz a visita a este antigo armazém convertido. Muito do que ali está ainda vai para a Ucrânia, outra parte é para ajudar os que estão por cá. O primeiro passo é a inscrição, não só no SEF, como na Segurança Social.

O presidente da Câmara Municipal de Irpin, Oleksandr Markushyn, aproveita o momento para conhecer três raparigas que cumprem o processo e fica a saber de onde são: nenhuma é de Irpin, mas para Lisa, Portugal já é uma casa.

Mora cá há 13 anos e, de forma solidária, acolheu duas compatriotas na casa dos pais.

Já o centro de emergência de Cascais pode acolher temporariamente, por três ou quatro noites, 300 pessoas. Agora está vazio, mas o mesmo não se pode dizer de um dos dois centros de acolhimento que funcionam em permanência: uma antiga escola, convertida na casa de dezenas de ucranianos, entre eles a família de William Lopes.

Luso-brasileiro, trouxe para Portugal, a partir de Irpin, a mulher e o filho Elan, de apenas um ano. Tem a esperança de voltar, agora alimentada por uma promessa do autarca de Irpin: "Vamos ter ajuda financeira enviada pelo presidente da câmara de Cascais para reconstruir uma creche para as crianças, que deverá abrir a 1 de setembro, para que todas as crianças possam ir à escola."

A ajuda é de 500 mil euros e serve para tentar reativar vidas que foram congeladas pela guerra, explica Carreiras. Markushyn agradece com um convite: o autarca português está convidado para ir inaugurar a escola. E o nome não podia ser mais fácil de pronunciar: Cascais.

Esta quinta-feira, o Presidente da Câmara Municipal de Cascais, Carlos Carrreiras, e o Presidente da Câmara Municipal de Irpin, Oleksandr Markushyn, vão assinar um acordo de geminação, em que Irpin e Cascais vão passar a ser cidades "gémeas". A ideia é que a cidade portuguesa possa ajudar a ucraniana em matéria de reconstrução.

Já no início deste mês de junho, as autarquias de Cascais e Bucha tinham assinado à distância um acordo de cooperação.

ACOMPANHE AQUI TUDO SOBRE A GUERRA NA UCRÂNIA

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de