Balanço da tempestade em Petrópolis sobe para 120 mortos e 116 desaparecidos

O governador do Rio de Janeiro, Cláudio Castro, disse durante uma visita a Petrópolis, que esta "foi a pior chuva desde 1932" na região.

O balanço da tempestade de terça-feira na cidade brasileira de Petrópolis subiu esta sexta-feira para 120 mortos e 116 desaparecidos, segundo as autoridades, citadas pela página eletrónica G1, da TV Globo.

O Corpo de Bombeiros confirmou esta sexta-feira de madrugada a existência de 120 mortos.

Entre os 101 corpos que já estão no Instituto Médico Legal (IML), há 65 mulheres e 36 homens, incluindo 13 menores.

Segundo a Polícia Civil, há 116 registos de desaparecimentos, mas não se sabe quantos já foram encontrados.

O G1 acrescenta que o tempo permanece instável em Petrópolis e que a Defesa Civil tem acionado sirenes em várias localidades para alertar a população para a previsão de chuva forte.

Por causa do mau tempo e do terreno instável, as buscas por desaparecidos chegaram a ser suspensas, para garantir a segurança das equipas.

O Centro Nacional de Monitoramento e Alerta avisa que permanece muito alta a possibilidade de ocorrência de deslizamentos de terra, mesmo na ausência de chuva.

Entretanto, o Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, deverá sobrevoar esta sexta-feira a cidade, segundo anunciou o seu filho, Flávio Bolsonaro.

O Presidente vai sobrevoar as áreas mais afetadas, visitará o centro de operações do Governo Federal, montado no 32.º Batalhão de Infantaria Leve de Montanha, e participará numa reunião com o prefeito de Petrópolis, Rubens Bomtempo.

O chefe de Estado, que soube da tragédia quando se encontrava em Moscovo em visita oficial, escreveu na rede social Twitter ter pedido ao Governo "auxílio imediato às vítimas".

O 'site' da Globo diz que a delegacia de descoberta de paradeiros (DDPA) enviou quase todo o seu efetivo para Petrópolis, com quatro equipas a percorrer hospitais, abrigos e escolas para identificar as pessoas desaparecidas.

Há ainda cerca de 500 bombeiros envolvidos nas buscas aos desaparecidos.

Segundo a Secretaria Estadual de Defesa Civil, 24 pessoas foram resgatadas com vida e 705 pessoas foram encaminhadas para os 33 pontos de apoio montados na cidade, em igrejas e escolas.

O governador do Rio de Janeiro, Cláudio Castro, disse na quarta-feira, durante uma visita a Petrópolis, que "foi a pior chuva desde 1932".

"Realmente, foram 240 milímetros em coisa de duas horas. Foi uma chuva altamente extraordinária", afirmou.

O G1 descreve o cenário de devastação que encontrou em Petrópolis logo na quarta-feira de manhã: "em muitos locais, era difícil distinguir o que era casa, o que era terra ou o que era rua".

"Morros vieram abaixo, carregando pedras do tamanho de carros; veículos ficaram empilhados com a força da correnteza; vias importantes foram bloqueadas, dificultando o acesso aos desabrigados", conta o jornalista.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de