Biden "acompanha de perto" protestos na China

O porta-voz do Conselho de Segurança Nacional afirma que a "Casa Branca apoia o direito de manifestação pacífica".

O Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, está "informado sobre o que está a acontecer" na China e "está a acompanhar de perto" as manifestações contra as restrições sanitárias e favor de mais liberdades, adiantou segunda-feira a Casa Branca.

"A Casa Branca apoia o direito de manifestação pacífica", disse o porta-voz do Conselho de Segurança Nacional, John Kirby, afirmando que "os manifestantes falam por si próprios".

John Kirby acrescentou que "nada" mudou na vontade norte-americana de "manter os canais de comunicação abertos" com as autoridades chinesas, após o encontro entre Joe Biden e o Presidente chinês, Xi Jinping, à margem da cimeira do G20 na Indonésia.

Os dois chefes de Estado, durante o encontro, tinham manifestado a vontade de relançar as discussões em algumas áreas de cooperação.

"Ainda pretendemos continuar essas discussões", disse o porta-voz.

Por seu lado, um porta-voz do Departamento de Estado norte-americano havia referido que "todos têm direito a protestos pacíficos", incluindo a China.

De acordo com a mesma fonte, os Estados Unidos consideram a vacinação, testes e tratamento mais eficazes do que "restrições rígidas".

"Pensamos que será muito difícil para a China conter o vírus com a sua estratégia de Covid zero. Vai ser muito difícil manter os confinamentos e a Covid zero", concluiu.

Hoje, as autoridades chinesas tentaram conter um movimento de luta de proporções históricas contra as restrições de saúde e por mais liberdades.

No domingo, uma multidão de manifestantes, respondendo aos apelos nas redes sociais, saiu à rua em Pequim, Xangai e Wuhan, apanhado a polícia desprevenida.

Pela extensão do território, a mobilização aparenta ser a mais importante desde as manifestações pró-democracia de 1989, severamente reprimidas.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de