Biden-Putin: primeiro encontro sob alta tensão

A cimeira de Genebra entre os presidentes russo e americano; o fim da guerra entre Boeing e Airbus, ou seja, UE e EUA; as guerras de cultura no Reino Unido; CR7, o senhor da Eurocopa.

Ambos de perfil, Biden à esquerda, Putin à direita, na capa do Libération... "encontramo-nos de novo"... sendo que, como Biden presidente, é a primeira vez... O Fígaro refere isso mesmo, o primeiro encontro sob alta tensão... este jornal francês diz que os presidentes americano e russo não ambicionam "um novo começo", mas vão tentar enquadrar a relação entre ambos para que não se degrade mais. O Fígaro afirma que Biden julga o czar Putin mais fraco do que forte.

Vários jornais esta manhã... o El País, o La Vanguardia em Espanha, mas também o Wall Street Journal, nos Estados Unidos, dão conta do fim de uma guerra que durava há quinze anos... não é entre países ou etnias ou grupos religiosos, mas sim entre construtores de aviões, a Boeing e a Airbus. Escreve o El País: "Os Estados Unidos e a União Europeia anunciaram ontem um acordo para encerrar o conflito de 17 anos sobre os subsídios aos fabricantes de aeronaves Airbus e Boeing. As partes suspenderam por cinco anos as tarifas que tinham sido aplicadas mutuamente e que, com Trump, foram estendidas aos produtos agrícolas espanhóis". O jornal vê este passo como "o maior avanço para restaurar a confiança entre os dois blocos quebrada durante a era Donald Trump".

Cristiano Ronaldo enche a capa do diário desportivo espanhol As... chamam-lhe o senhor da Eurocopa.

A Guardian Weekly destaca, em toda a capa, as guerras da cultura em Inglaterra... e diz que se trata da grande e desconcertante obsessão... Numa reportagem especial, conta-se que "das estátuas ao desporto, um empurrão fervoroso pela moral elevada está a dominar a vida britânica". O que são, afinal? Os políticos gostam de as provocar e os académicos de as analisar, uma sondagem revela que a maioria da população nem sabre do que se trata. O que está por detrás destas guerras de cultura? O artigo remete para uma emocional carta aberta à nação, da autoria do treinador da seleção britânica de futebol Gareth Sougthgate, uma carta sobre multiculturalismo e orgulho nacional, em que se considera ter definido uma nova noção de "inglesismo" que é simultaneamente tradicional e radical. Como Southgate intuiu, a atual seleção da Inglaterra, orgulhosa da diversidade e possuindo um grau impressionante de coragem política, está a ajudar a definir um país diferente e mais contemporâneo a partir de dentro das antigas muralhas.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de