Bielorrússia envia forças adicionais para a fronteira a sul

O Presidente do país insiste que a Bielorrússia não vai participar na ofensiva russa sobre a Ucrânia.

O Presidente da Bielorrússia, Alexander Lukashenko, anunciou na terça-feira que ordenou o envio de forças adicionais para sul, na fronteira com a Ucrânia, no sexto dia da invasão russa neste país.

Helicópteros e aviões militares, implantados em Gomel, Baranovichi e Lounints, garantem atualmente a segurança desta fronteira entre as duas ex-repúblicas soviéticas, declarou Lukashenko, durante uma reunião do conselho de segurança da Bielorrússia, segundo a agência de imprensa pública Belta.

Lukashenko defendeu a implantação de "cinco grupos táticos de batalhão para proteger a direção" sul, grupos esses geralmente compostos por centenas de soldados, equipados com veículos blindados e armas de artilharia.

Aliado de Moscovo, Lukashenko, que governa a Bielorrússia desde 1994, garantiu, no entanto, que o país não participará na ofensiva russa na Ucrânia.

Lukashenko também defendeu o envio de forças adicionais para a fronteira com a Polónia, no oeste, para proteger a Bielorrússia de um possível ataque da NATO.

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, condenou os recentes ataques russos a diversas zonas centrais de cidades ucranianas com armamento pesado.

"O secretário-geral está muito preocupado com o uso de armamento pesado contra os centros urbanos da Ucrânia", disse o porta-voz de Guterres, Stéphane Dujarric, em Nova Iorque.

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Ucrânia, Dmitro Kuleba, afirmou que o país receberá armas que permitirão derrotar o agressor russo, numa mensagem de vídeo publicada no Facebook.

"No momento, enquanto falamos, estão a ser enviadas armas para a Ucrânia. Armas de nossos amigos, que nos permitirão defender o nosso Estado e derrotar o agressor e expulsá-lo da nossa terra", disse o chefe da diplomacia ucraniana.

Na segunda-feira, a União Europeia concordou em promover um centro para troca de informações sobre pedidos de ajuda militar da Ucrânia e ofertas de Estados-membros.

A Rússia lançou na quinta-feira de madrugada uma ofensiva militar na Ucrânia, com forças terrestres e bombardeamento de alvos em várias cidades, que já mataram mais de 350 civis, incluindo crianças, segundo Kiev. A ONU deu conta de mais de 100 mil deslocados e mais de 660 mil refugiados na Polónia, Hungria, Moldova e Roménia.

O Presidente russo, Vladimir Putin, disse que a "operação militar especial" na Ucrânia visa desmilitarizar o país vizinho e que era a única maneira de a Rússia se defender, precisando o Kremlin que a ofensiva durará o tempo necessário.

O ataque foi condenado pela generalidade da comunidade internacional e a União Europeia e os Estados Unidos, entre outros, responderam com o envio de armas e munições para a Ucrânia e o reforço de sanções para isolar ainda mais Moscovo.

ACOMPANHE AQUI TUDO SOBRE O CONFLITO ENTRE A RÚSSIA E A UCRÂNIA

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de