Blinken diz que será "muito difícil" obter retirada de tropas russas do Cazaquistão

A Rússia enviou mais de 70 aviões militares e um número não determinado de soldados para o país vizinho.

O chefe da diplomacia norte-americana, Antony Blinken, questionou na sexta-feira a necessidade para o Cazaquistão de solicitar o envio de tropas russas para controlarem os distúrbios no país e preveniu que será "muito difícil" obter a sua retirada.

"Uma lição de história recente diz que, uma vez que os russos entram em vossa casa, por vezes é muito difícil fazê-los partir", assinalou o secretário de Estado dos EUA no decurso de uma conferência de imprensa em Washington.

Pelo menos 26 manifestantes e 18 membros das forças de segurança foram mortos e centenas ficaram feridos nos distúrbios no Cazaquistão e milhares de pessoas foram detidas.

O Presidente cazaque Kasim-Yomart Tokayev acusou hoje a comunicação social e políticos estrangeiros de terem instigado os protestos, que se iniciaram no domingo após o anúncio de um aumento dos preços do gás liquefeito, um dos combustíveis mais utilizados nos transportes do país.

A Rússia enviou mais de 70 aviões militares e um número não determinado de soldados para o país vizinho, a pedido de Tokayev, que recorreu aos estatutos da Organização do Tratado de Segurança Coletiva (OTSC), uma aliança militar de seis ex-repúblicas soviéticas e impulsionada por Moscovo.

"Parece-me que as autoridades e o Governo do Cazaquistão estão certamente em condições de gerir de forma apropriada das manifestações, de impor a ordem respeitando os direitos dos manifestantes. Assim, não entendo por que necessitam de uma ajuda exterior", disse Antony Blinken.

Nas suas declarações, o chefe do Departamento de Estado também considerou ser possível "uma solução diplomática" com a Rússia, caso Moscovo se envolva no diálogo para desanuviar a crise em torno da Ucrânia.

"Estamos prontos a responder com força a uma nova agressão russa. Mas ainda é possível, e preferível, se a Rússia escolher essa via", disse a poucos dias de diversas conversações entre o ocidente e Moscovo.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de