Bolsonaro diz que esquerdistas não merecem ser tratados como "pessoas normais"

O Presidente brasileiro aproveitou para pedir a "Deus" que "abra a mente" dos votantes da "maldita" esquerda e frisou o "milagre da eleição".

O Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, afirmou na quinta-feira, num evento em Brasília, queos esquerdistas não merecem ser tratados como "pessoas normais", e pediu "a Deus" que "abra a mente de quem" apoia a esquerda política.

"Quis o povo me eleger para governar aqueles que no passado colocaram o país na dificuldade que se encontra. (...) Peço a Deus que continue a abençoar o nosso Brasil, abra a mente de quem está do lado da esquerda. Essa maldita esquerda que não deu certo em lugar nenhum, e que alguns teimam que volte ao poder. Agradeço a Deus pelo milagre da eleição", disse o chefe de Estado.

No seu discurso numa cerimónia sobre a mudança no comando da Operação Acolhida, programa do Governo do Brasil destinado ao apoio a migrantes venezuelanos, Bolsonaro apelou a que os brasileiros não voltem a colocar partidos de esquerda no poder.

"Não dê oportunidade para essa esquerda. Eles não merecem ser tratados como se fossem pessoas normais, como se quisessem o bem do Brasil, isso é mentira. Não podemos em 2022 [ano das próximas eleições presidenciais] chegar na situação a que chegou a Argentina no corrente ano, ou como está o Chile, que está a caminhar para o caos, o socialismo", acrescentou Bolsonaro.

Para uma plateia composta por militares, membros do Governo e migrantes venezuelanos, o mandatário declarou aos cidadãos do país vizinho que se fosse Fernando Haddad, o seu concorrente às Presidenciais de 2018 pelo Partidos dos Trabalhadores (esquerda), a estar no poder, que eles não teriam apoio garantido no Brasil, como acontece agora, através da Operação Acolhida.

"Se o Haddad estivesse aqui, vocês [venezuelanos] não estariam aqui. Ele estaria lá com o [Nicolás] Maduro. Então, o que mais temos de sagrado é a nossa liberdade, a democracia, temos que zelar e lutar por ela todos os dias. Caso contrário, podemos entrar na situação da Venezuela", advertiu Jair Bolsonaro.

Durante o discurso, o Presidente aproveitou ainda para se dirigir aos jornalistas presentes na cerimónia para criticar a cobertura que a imprensa faz do atual Executivo.

"Ganhem vergonha na cara (...) A nossa imprensa tem medo da verdade, deturpa o tempo todo. Quando não conseguem deturpar, mentem descaradamente. (...) Deixem o nosso Governo em paz para poder levar paz, tranquilidade e harmonia ao nosso povo", criticou mais uma vez Bolsonaro, que frequentemente lança ataques aos profissionais do jornalismo.

Na cerimónia, além de ter sido transferido o comando da Operação Acolhida para o general de brigada Antônio Manoel de Barros, em substituição do general Eduardo Pazuello, que assume agora o Comando Militar da Amazónia, o Governo brasileiro anunciou ainda o lançamento de uma plataforma online para receber doações privadas destinadas ao acolhimento de venezuelanos. O fundo, que será gerido pela Fundação Banco do Brasil, receberá doações que terão como destino prioritário a "assistência de emergência".

Para garantir o atendimento humanitário aos migrantes venezuelanos em Roraima, principal porta de entrada da Venezuela no Brasil, o Governo federal criou, em 2018, a Operação Acolhida, com o apoio de agências da Organização das Nações Unidas (ONU) e de mais de cem entidades da sociedade civil.

Desde o início da crise migratória, o Executivo brasileiro estima que mais de 264 mil venezuelanos entraram e permaneceram no Brasil.

A Operação Acolhida está organizada em três eixos, sendo eles o ordenamento da fronteira, em que é efetuada a documentação, vacinação e a operação de controlo por parte do Exército brasileiro; o acolhimento, com oferta de abrigo, alimentação e cuidados de saúde. Por último, a interiorização, que consiste no deslocamento voluntário de venezuelanos de Roraima para outros estados, com objetivo de inclusão socioeconómica, de acordo com o Governo.

Mais de quatro mil militares participaram na missão, desde o seu início.

Segundo dados da operação, mais de 889 mil atendimentos foram realizados na fronteira brasileira, 27 mil venezuelanos passaram pelo processo de interiorização e mais de 388 mil doses de vacinas foram administradas.

Mais de quatro milhões de venezuelanos deixaram a Venezuela devido à crise económica, política e social nos últimos anos, sendo a Colômbia, onde se refugiaram mais de 1,4 milhões de migrantes, o principal destino deste êxodo.

A chegada em massa de venezuelanos ao Brasil começou no final de 2017, sendo um dos cinco países mais procurados por aqueles migrantes.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de