Brasil promete vacinas contra a Covid-19 a "países irmãos"

O secretário brasileiro de Negociações Bilaterais no Oriente Médio, Europa e África disse que, a partir de meados deste ano, o Brasil será autossuficiente na vacina contra a Covid-19.

O Brasil reiterou esta quarta-feira, diante da Cimeira Ibero-Americana e com uma representação que não era de alto nível, o seu compromisso de fornecer vacinas contra a Covid-19 a "países irmãos num futuro não distante".

O Brasil "está a trabalhar para um acesso equitativo de todos os países às vacinas", disse o secretário brasileiro de Negociações Bilaterais no Oriente Médio, Europa e África, Kenneth Félix Haczynski da Nóbrega, na sua intervenção virtual.

O secretário representou, na Cimeira em Andorra, o Governo de Jair Bolsonaro, que assumiu o poder em janeiro de 2019. Na reunião anterior, em novembro de 2018, na Guatemala, o Brasil foi representado pelo então Presidente Michel Temer.

Na sua exposição, Nóbrega falou sobre a necessidade de reforçar a "diplomacia da saúde" para favorecer o acesso às vacinas contra a Covid-19 aos países menos desenvolvidos, trabalho em que o Brasil pode somar os seus esforços.

A partir de meados deste ano, o Brasil será autossuficiente na vacina contra a Covid-19, disse o diplomata, o que "abre a perspetiva de uma maior contribuição brasileira para o fornecimento de vacinas num futuro não distante".

Nóbrega recordou que o Brasil está na "fase mais difícil" do combate à pandemia do novo coronavírus, que já fez 378 mil mortes e 14 milhões de infetados, e lembrou que para lutar contra esse mal "não há atalhos" fora da ciência.

O diplomata aproveitou para agradecer a Espanha o recente anúncio da doação de equipamentos e medicamentos de intubação para hospitais brasileiros e destacou as vantagens do programa nacional de imunização, responsável pela atual vacinação contra a doença no país sul-americano.

Nóbrega esclareceu, no início da sua apresentação, que a participação de seu país na Cimeira "não implica o reconhecimento do regime ilegítimo de Nicolás Maduro" na Venezuela, posição que vem mantendo o Governo de Jair Bolsonaro, líder de extrema-direita.

Já numa reunião ministerial ibero-americana realizada em 01 de dezembro de 2020, o então ministro das Relações Exteriores brasileiro, Ernesto Araújo, protestou contra a presença de diplomatas do "regime ditatorial" da Venezuela junto a "representantes de nações livres".

LEIA AQUI TUDO SOBRE A COVID-19.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de