Brexit: Cameron não se arrepende do referendo mas "todos os dias" pensa no futuro

Antigo primeiro-ministro garante que não tomou a decisão de fazer o referendo "de ânimo leve".

O antigo primeiro-ministro britânico David Cameron assegurou esta sexta-feira que não se arrepende de ter organizado o referendo sobre a saída do Reino Unido da União Europeia ('Brexit'), mas admitiu que pensa "todos os dias" nas suas consequências.

"Penso nisso todos os dias [...]. Estou desesperadamente inquieto com o que o futuro reserva", afirmou Cameron, em declarações ao jornal The Times, vincando que não se arrepende da decisão.

No referendo, 52% dos eleitores britânicos votaram pela saída do Reino Unido da União Europeia, enquanto 48% opuseram-se.

A menos de dois meses do prazo (31 de outubro) para esta saída, a questão continua a dividir o Reino Unido.

"Organizar um referendo não foi uma decisão que tomei de ânimo leve", notou o antigo político, embora tenha ressalvando que sofreu uma grande pressão política.

Ao The Times, David Cameron disse ainda que algumas pessoas não o vão perdoar, mas vincou que "as que queriam sair da União Europeia estão felizes" pela promessa feita e mantida.

Na sequência do resultado do referendo, David Cameron demitiu-se, tendo sido, posteriormente, substituído por Theresa May, que também abandonou o cargo após ver o seu acordo com a UE ser chumbado várias vezes.

Seguiu-se Boris Johnson e com ele a probabilidade de uma saída da União Europeia sem acordo.

O parlamento britânico está suspenso desde a semana passada e até 14 de outubro, após o Governo britânico ter recebido "luz verde" da rainha Isabel II com o objetivo de apresentar uma nova agenda legislativa nacional para a renovação do país após o 'Brexit', tal como invocou o primeiro-ministro.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de

Outros Artigos Recomendados