Centenas de camionistas cruzam o Canadá em luta contra vacinação obrigatória

Canadá e Estados Unidos anunciaram que os camionistas que cruzam regularmente a fronteira para o transporte de mercadorias entre os dois países terão que estar vacinados. Protesto terminará em frente ao parlamento.

Uma coluna com centenas de camiões está a dirigir-se para Ottawa, em protesto contra a decisão do governo canadiano, que exige a vacinação contra a Covid-19 aos camionistas que atravessam a fronteira com os Estados Unidos.

A manifestação chegou na quinta-feira a Toronto, a 450 quilómetros de Ottawa, e está a recolher o apoio de inúmeras pessoas, que acompanham a rota que está a ser percorrida, noticia a agência EFE.

Alguns membros do Partido Conservador do Canadá também manifestaram apoio a este protesto e descreveram o primeiro-ministro canadiano, Justin Trudeau, como uma ameaça à liberdade.

A chegada da coluna de camiões a Ottawa culminará num protesto em frente ao parlamento, contra a vacinação obrigatória decretada aos camionistas que atravessam a fronteira em trabalho.

Canadá e Estados Unidos anunciaram há duas semanas que os camionistas que cruzam regularmente a fronteira para o transporte de mercadorias entre os dois países terão que estar vacinados.

Até agora, estes profissionais estavam isentos da exigência de quarentena na chegada a cada um dos países.

Embora o 'Comboio da Liberdade' tenha passado pacificamente por muitas zonas do país, as autoridades temem que membros mais radicais, que se opõe à vacinação em geral e às medidas para conter a pandemia de Covid-19, se junte a este grupo em Ottawa.

O chefe da polícia de Ottawa, Peter Sloly, alertou na quarta-feira que grupos nas redes sociais estão a "elaborar uma série de alegações que variam entre inofensivas e ameaçadoras", o que leva as autoridades a estarem vigilantes.

A polícia está também em alerta para a possibilidade de encontros entre grupos a favor e contra a vacinação e medidas de combate à pandemia de Covid-19.

Estes camionistas manifestantes tiveram um apoio inesperado na quinta-feira, do empresário norte-americano Elon Musk, através da rede social Twitter.

O CEO da Tesla já tinha no passado apelidado como "fascistas" as medidas dos Estados Unidos contra a Covid-19.

A Covid-19 provocou 5.625.889 mortes em todo o mundo desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China.

A nova variante Ómicron, classificada como preocupante e muito contagiosa pela Organização Mundial da Saúde (OMS), foi detetada na África Austral e, desde que as autoridades sanitárias sul-africanas deram o alerta em novembro, tornou-se dominante em vários países, incluindo em Portugal.

LEIA AQUI TUDO SOBRE A COVID-19

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de