Centro de acolhimento de Pemba não tem condições para receber tantos refugiados

Milhares de pessoas fugiram da vila de Palma depois do ataque armado de 24 de março.

O centro de acolhimento temporário criado em Pemba, Moçambique, para acolher as pessoas que fugiram do ataque armado à vila de Palma, não tem condições para receber tantos refugiados.

O alerta é do jornalista Hizidine Achá, da SOICO - Sociedade Independente de Comunicação Moçambique, que vive na cidade de Pemba.

Este centro de acolhimento "não tem condições nenhumas", nem "uma esteira, uns cobertores...", lamenta, em declarações à TSF.

A distribuição de comida está a ser feita por "pequenas organizações", mas não há nada "assegurado, organizado, para garantir uma gestão efetiva dos deslocados."

O jornalista moçambicano explica que várias organizações não-governamentais continuam à espera de autorização para o desembarque de comida no porto de Pemba, por isso o apoio alimentar ainda não chegou aos refugiados. "Falta comida", diz Hizidine Achá.

Segundo o último balanço da Organização Mundial para as Migrações, pelo menos 9.158 pessoas - 45% das quais crianças - chegaram nos últimos dias aos distritos de Nangade, Mueda, Montepuez e Pemba.

O ataque de 24 de março à vila sede do distrito de Palma, junto à fronteira com a Tanzânia, provocou dezenas de mortos e obrigou à fuga de milhares de residentes de Palma, agravando uma crise humanitária que atinge cerca de 700 mil pessoas na província moçambicana de Cabo Delgado, desde o início do conflito.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de