Ceuta: Santos Silva defende "diálogo e muita racionalidade" perante situação "inesperada"

O ministro dos Negócios Estrangeiros apela ao "diálogo bilateral" para controlar situação inesperada. Alto Representante da UE lembra a Marrocos que Ceuta é "fronteira europeia".

Bruxelas apela ao diálogo com Marrocos para que seja encontrada uma solução que evite mortes de migrantes no mar, na chegada à fronteira de ceuta. Uma situação que o ministro Augusto Santos Silva já classificou como "inesperada e surpreendente" que deve ser resolvida pelo diálogo de forma rápida.

"Trata-se de factos inesperados e surpreendentes e que precisam de ser rapidamente controlados, através de um diálogo bilateral entre Espanha e Marrocos, com muita racionalidade por parte daqueles que estão envolvidos neste tema", afirmou o ministro, acrescentando "que fronteiras externas fortes são uma condição essencial do desenvolvimento da União Europeia".

O Alto Representante para a Política Externa, Josep Borrell, já avisou Marrocos que Ceuta é fronteira europeia, tendo classificado como "um acontecimento preocupante", a chegada de milhares de migrantes à cidade espanhola, durante os últimos dois dias.

O chefe da diplomacia Europeia já expressou solidariedade com o governo de Madrid e deixa o recado ao governo Marroquino, dizendo que "Ceuta é a fronteira europeia com Marrocos".

"A União Europeia fará o necessário para apoiar Espanha, nestes momentos difíceis. Sem dúvida a maior prioridade é tratar de evitar que haja morte de pessoas migrantes que atravessam a nados", disse Borrell, para quem "tratar de devolver a normalidade a Ceuta, gravemente perturbada por estes acontecimentos" é também prioritário.

"Já liguei ao meu colega, o ministro [Nasser] Bourita. Ainda não consegui falar com ele, mas o comissário [com a pasta da vizinhança] Olivér [Várhelyi] falou. Tenho a certeza que neste espírito, de diálogo e cooperação, encontraremos soluções que respeitem os interesses comuns, assentes em compromissos, objectivos e na confiança mútua", disse o Alto Representante, que no passado também chefiou a diplomacia espanhola.

"Temos uma boa relação [com Marrocos], e queremos continuar a tê-la, incluindo nela as questões migratórias", disse Borrell, considerando que "a gestão da migração forma uma parte muito importante nesta relação, e deve ser gerida num espírito de cooperação e diálogo".

Josep Borrell lembrou ainda que a União Europeia "tem uma associação muito sólida e estratégica com Marrocos", numa relação de "amizade e cooperação" que se "consolidou ao longo de muitos anos de boa cooperação", apesar que identificar, sem os referir, "outros momentos como este". No entanto, considera que "é preciso continuar a apelar à cooperação".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de