Chefe da CIA reuniu-se confidencialmente com cofundador dos taliban

O Washington Post não revelou o conteúdo das negociações entre o líder taliban e o chefe da CIA, mas é provável que girassem em torno do atraso das evacuações do aeroporto da capital afegã.

O diretor da CIA, William Burns, teve um encontro confidencial em Cabul, na segunda-feira, com o cofundador do movimento taliban Abdul Ghani Baradar, noticiou esta terça-feira o jornal Washington Post.

A decisão do Presidente dos EUA, Joe Biden, de enviar Burns - frequentemente apresentado como o seu diplomata mais experiente - a Cabul ilustra a gravidade da crise no Afeganistão para o seu Governo, perante o cenário de retirada confusa da capital afegã de milhares de norte-americanos e afegãos.

Burns reuniu com o 'mullah' Abdul Ghani Baradar, que chefiou a delegação negocial dos taliban no Qatar e que se tornou o novo homem-forte do regime que tomou o poder em Cabul.

O Washington Post não revelou o conteúdo das negociações entre o líder taliban e o chefe da CIA, mas é provável que girassem em torno do atraso das evacuações do aeroporto da capital afegã, onde milhares de pessoas, aterrorizadas pelo regresso ao poder dos islâmicos, ainda permanecem esperançados em conseguir um voo para fora de fronteiras.

Hoje, os norte-americanos intensificaram os seus esforços para retirar esses milhares de afegãos e estrangeiros de Cabul o mais rapidamente possível, depois de os taliban terem avisado que deixariam de tolerar essas operações por mais de uma semana.

Uma cimeira virtual do G7 fará hoje um balanço das operações de evacuação.

Os taliban conquistaram Cabul no dia 15 de agosto, concluindo uma ofensiva iniciada em maio, quando começou a retirada das forças militares norte-americanas e da NATO.

As forças internacionais estavam no país desde 2001, no âmbito da ofensiva liderada pelos Estados Unidos contra o regime extremista (1996-2001), que acolhia no seu território o líder da Al-Qaida, Osama bin Laden, principal responsável pelos atentados terroristas de 11 de setembro de 2001.

A tomada da capital põe fim a uma presença militar estrangeira de 20 anos no Afeganistão, dos Estados Unidos e dos seus aliados na NATO, incluindo Portugal.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de