China apela a cessar-fogo após Moscovo anunciar mobilização parcial

O porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros da China afirma que a posição da China sobre o conflito "sempre foi clara e não mudou", passando por "respeitar a integridade territorial de todos os países".

A China apelou esta quarta-feira ao diálogo e a que se apoie "qualquer esforço" que permita um cessar-fogo na Ucrânia, depois de o Presidente russo, Vladimir Putin, ter anunciado uma mobilização parcial.

"Todos os esforços que levem a uma solução pacífica desta crise devem ser apoiados", afirmou o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros da China, Wang Wenbin, em conferência de imprensa.

O porta-voz assegurou que a posição da China sobre o conflito "sempre foi clara e não mudou". Esta passa por "respeitar a integridade territorial de todos os países", incluindo a Ucrânia e, ao mesmo tempo, atentar para as "legítimas preocupações de segurança" da Rússia.

Pequim declarou repetidamente a sua oposição às sanções contra Moscovo por "não terem base no Direito internacional" e "não resolverem os problemas".

Putin e o homólogo chinês, Xi Jinping, encontraram-se na quinta-feira passada na cidade uzbeque de Samarcanda, na véspera da cimeira da Organização de Cooperação de Xangai (SCO), liderada pela China e pela Rússia.

No início da reunião, Putin apreciou o facto de Pequim sempre ter mantido "uma posição equilibrada" sobre a Ucrânia, embora tenha admitido "perguntas e preocupações" por parte do líder chinês.

Xi assegurou que está disposto a trabalhar com a Rússia para "prestar apoio mútuo" em assuntos relativos aos seus respetivos "interesses fundamentais".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de