China corre risco de ter 1,6 milhões de mortos caso abandone restrições

Estudo desenvolvido por especialistas chineses e norte-americanos alerta para consequências graves de um alívio de restrições associadas à pandemia.

Um estudo da Universidade Fudan, em Xangai, apontou que a China corre o risco de registar cerca de 1,6 milhões de mortos, caso modere ou reduza as medidas de prevenção e controlo da Covid-19.

O estudo, revisto por pares, e publicado na revista Nature, concluiu que a variante Ómicron do coronavírus SARS-CoV-2, altamente contagiosa, ia sobrecarregar o sistema hospitalar do país, devido à baixa taxa de vacinação entre os idosos e menor eficácia das inoculações domésticas.

O modelo, desenvolvido em conjunto por especialistas chineses e norte-americanos, sugeriu que o surto causaria 112 milhões de casos sintomáticos, ou 80 casos por mil pessoas, com 2,7 milhões a necessitar de tratamento em cuidados intensivos.

Durante o pico, a procura de cuidados intensivos ia superar em 16 vezes a capacidade atual existente, de acordo com o modelo matemático usado para simular um hipotético surto de Ómicron na China, com base em dados da situação em Xangai (leste).

Os investigadores estimaram que pessoas não vacinadas, com mais de 60 anos, seriam responsáveis por três quartos (74,7%) das mortes, considerando que 52 milhões de pessoas nessa faixa etária não estavam totalmente vacinadas em meados de março.

No melhor cenário, em que todos os casos sintomáticos seriam tratados com o medicamento antiviral oral Paxlovid, desenvolvido pela farmacêutica Pfizer e aprovado na China, os internamentos e as mortes podiam ser reduzidos em quase 89%, acrescentaram.

Para diminuir o número de mortos para um nível comparável à contagem anual de mortes causadas pela gripe sazonal na China, em torno de 88 mil, os investigadores disseram que a adesão à vacina entre os idosos deve atingir 97%, e que mais de metade das infeções sintomáticas deve ser tratada com terapias antivirais.

"A longo prazo, melhorar a ventilação, fortalecer a capacidade dos cuidados intensivos e o desenvolvimento de novas vacinas altamente eficazes, com persistência imunológica a longo prazo, seriam as principais prioridades", disse a equipa.

A China está a enfrentar o pior surto de Covid-19 desde que conteve os primeiros casos da doença, em Wuhan (centro), em 2020.

A campanha de vacinação em massa do país assentou nas vacinas desenvolvidas internamente pelas farmacêuticas Sinopharm e Sinovac.

Ambas as vacinas oferecem alguma proteção contra doença grave, hospitalização e morte, em caso de infeção pela variante Ómicron, de acordo com uma avaliação da Organização Mundial da Saúde (OMS), mas têm taxas de eficácia mais baixas do que algumas inoculações utilizadas no resto do mundo.

Desde o início da pandemia, o país registou 5.191 mortes e 220.397 casos de Covid-19.

A doença causou mais de seis milhões de mortos e mais de 510 milhões de infeções em todo o mundo, de acordo com dados da Universidade norte-americana Johns Hopkins.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de