China diz que repórter da BBC preso "não se identificou como jornalista"

O porta-voz do ministério dos Negócios Estrangeiros chinês apela à imprensa estrangeira que "respeite as leis e regulamentos chineses enquanto estiverem na China".

A China disse esta segunda-feira que o jornalista da BBC, detido no domingo, durante um protesto em Xangai, não se identificou como jornalista, após a cadeia televisiva britânica ter revelado que um dos seus colaboradores foi preso e "espancado" pela polícia.

"De acordo com aquilo que nos foi transmitido pelas autoridades competentes em Xangai, ele não se identificou como jornalista e não apresentou voluntariamente as suas credenciais de imprensa", disse Zhao Lijian, porta-voz do ministério dos Negócios Estrangeiros chinês, apelando à imprensa estrangeira que "respeite as leis e regulamentos chineses enquanto estiverem na China".

A televisão pública britânica, através de um porta-voz, mostrou-se "muito preocupada", no domingo, ao confirmar que o repórter de imagem Edward Lawrence "foi atacado" em Xangai, como demonstram imagens partilhadas nas redes sociais, nas quais se veem agentes da policia a arrastarem o jornalista algemado pelo chão.

O jornalista da BBC foi "espancado e pontapeado pela polícia", antes de ser detido, enquanto cobria um dos protestos contra as medidas de prevenção epidémica vigentes na China.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de