China inclui pensamento de Xi Jinping nos currículos escolares

O Ministério da Educação da China acredita que "estudar o pensamento de Xi Jinping sobre o socialismo com características chinesas para uma nova era é a tarefa mais importante que o PCC e o país têm" e que "é necessário armar as mentes dos estudantes" com essa doutrina.

O Ministério da Educação da China anunciou esta quarta-feira que escolas e universidades devem incorporar nos seus currículos conteúdo sobre o pensamento político do Presidente chinês e secretário-geral do Partido Comunista da China (PCC), Xi Jinping.

A diretriz visa "ajudar os adolescentes a acreditar no marxismo" e cultivá-los com uma "forte base moral, intelectual, física e estética" que lhes permita "formar os seus próprios julgamentos e opiniões políticas".

"As escolas primárias vão ter como foco a promoção do amor ao país, ao PCC e ao socialismo. As escolas secundárias combinarão o estudo com a experiência percetiva, enquanto as universidades enfatizarão o pensamento teórico", destacou o texto.

O ministério acrescentou que "estudar o pensamento de Xi Jinping sobre o socialismo com características chinesas para uma nova era é a tarefa mais importante que o PCC e o país têm" e que "é necessário armar as mentes dos estudantes" com essa doutrina.

"Deve ser sintetizado e esclarecido. Devemos também fornecer aos alunos ferramentas para desenvolver o seu espírito de sacrifício, bem como noções para que aprendam tudo relacionado ao conceito de segurança nacional", sublinhou o texto.

Solicita-se também o reforço das "tradições revolucionárias" para "continuar a desenvolver o socialismo com características chinesas", que Xi considerou, em 2021, um "caminho único para a civilização chinesa", que "criou um novo modelo de progresso humano".

Desde que assumiu a liderança da China, em 2013, Xi Jinping tornou-se o centro da política chinesa e é hoje considerado um dos líderes mais fortes da história recente do país, comparável ao fundador da República Popular, Mao Zedong.

O pensamento político de Xi foi incluído nos estatutos do Partido e na Constituição do país, durante o Congresso do PCC, em outubro de 2017.

Xi conseguiu ainda abolir o limite de mandatos para o seu cargo, criar um organismo com poder equivalente ao Executivo para supervisionar a aplicação das suas políticas e promover aliados a posições chave do regime, desmantelando o sistema de "liderança coletiva" cimentado pelos líderes chineses, desde finais dos anos 1970, para evitar os excessos do maoismo.

Desde 2017, milhões de funcionários públicos e membros do PCC têm que ler os discursos de Xi e estudar a sua teoria política, que segundo a imprensa oficial do país, representa uma "contribuição histórica" para o desenvolvimento do Partido e a readaptação do marxismo à China contemporânea.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de