Cineasta Jean-Luc Godard recorreu à morte assistida

Informação foi confirmada pelo conselheiro da família, Patrick Jeanneret.

O cineasta franco-suíço Jean-Luc Godard, pai da Nouvelle Vague, que morreu nesta terça-feira aos 91 anos, recorreu à morte assistida, confirmou à agência France-Presse o conselheiro jurídico e fiscal da família.

"Jean-Luc Godard recorreu a assistência jurídica na Suíça para uma morte voluntária, em consequência de múltiplas patologias incapacitantes, de acordo com os termos do relatório médico", revelou Patrick Jeanneret, confirmando assim uma informação que já tinha sido avançada pelo jornal francês Libération.

Nascido a 3 de dezembro de 1930 na região de Île-de-France, Jean-Luc Godard é considerado um dos realizadores mais radicais e disruptivos da História do cinema, conhecido por clássicos como "O Acossado" (a sua primeira longa-metragem, em 1960), "O Desprezo" (1963), com Brigitte Bardot, e "Pedro, o Louco" (1965).

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de