Com 1% de população vacinada, Somália inaugura a primeira fábrica pública de oxigénio

O país, devido à pandemia, tem das taxas de mortalidade mais altas em África. São escassas as medidas de contenção de propagação do vírus.

A Somália inaugurou esta sexta-feira, na capital, Mogadíscio, a primeira fábrica pública de oxigénio do país para ajudar as vítimas da Covid-19 a recuperar, noticiou a agência Associated Press (AP).

A fábrica foi instalada num hospital em Mogadíscio e espera-se que produza, por semana,mil garrafas de oxigénio, segundo a mesma fonte.

A escassez de oxigénio médico prejudicou os esforços de resposta em muitas nações africanas. Atualmente, a variante Delta do coronavírus é a predominante nas infeções do continente.

A insegurança na Somália, devido ao terrorismo, representa um desafio adicional aos esforços para combater a pandemia. Uma ala Covid-19 recentemente criada num hospital foi parcialmente destruída num ataque do grupo extremista Al-Shebab, ligado à Al-Qaeda, que controla partes da Somália e frequentemente tem como alvo a capital do país.

Esta nação, devido à pandemia, tem das taxas de mortalidade mais altas em África. São escassas as medidas de contenção de propagação do vírus.

Segundo dados avançados pela AP, o país já teve quase 20 mil casos confirmados de Covid-19, mas o número é possivelmente superior, pois existe uma carência de testes na Somália. Apenas 1% da sua população, com mais de 15 milhões de habitantes, foi vacinada.

A Covid-19 provocou pelo menos 4.771.320 mortes em todo o mundo, entre 233,23 milhões infeções pelo coronavírus registadas desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em vários países.

LEIA TUDO SOBRE A PANDEMIA DE COVID-19

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de