Confirmada primeira morte no Brasil por varíola dos macacos

O Governo do Brasil informou que iniciou negociações com a Organização Mundial de Saúde para aquisição de vacinas contra a doença.

As autoridades brasileiras confirmaram esta sexta-feira a primeira morte provocada pela varíola dos macacos no país, onde já foram identificados pouco mais de mil casos de infeção.

Segundo o Ministério da Saúde brasileiro, a vítima era um homem que tinha imunidade baixa e morava na cidade de Uberlândia, no estado de Minas Gerais, onde, segundo dados oficiais, foram registados 44 dos 1066 casos da doença confirmados até o momento no país.

A região mais afetada pelo que as autoridades locais começaram a tratar como um "surto epidémico" é o estado de São Paulo, o mais populoso do país, com quase 42 milhões de habitantes, e onde 823 casos de varíola dos macacos foram notificados.

A confirmação da primeira morte ocorreu um dia após o Ministério da Saúde brasileiro anunciar a criação de uma comissão de emergência para lidar com a evolução da doença.

O Governo brasileiro também informou que iniciou negociações com a Organização Mundial da Saúde (OMS) e a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) para aquisição de vacinas contra a doença.

O Brasil é atualmente o segundo país das Américas com mais infeções por varíola, atrás apenas dos Estados Unidos, que estão perto de 3 mil casos, segundo os últimos números divulgados pela OMS.

O primeiro caso no Brasil foi registado em 8 de junho, num homem de 41 anos que chegou a São Paulo após uma viagem a Espanha, país mais afetado pelo surto no mundo.

Mais de 18 mil casos de monkeypox foram detetados em todo o mundo desde o início de maio passado, fora das áreas endémicas de África.

A doença foi relatada em 78 países até agora e 70% dos casos estão concentrados na Europa e 25% nas Américas, disse o responsável da OMS.

Cinco pessoas morreram da doença (todas em África) e cerca de 10% dos casos exigem internamento hospitalar para tentar aliviar a dor dos pacientes.

A vacina contra a varíola, assim como antivirais e a imunoglobulina 'vaccinia' (VIG), podem ser usados como prevenção e tratamento para a monkeypox, uma doença rara.

A doença, que tem o nome do vírus, foi identificada pela primeira vez em humanos em 1970 na República Democrática do Congo, depois de o vírus ter sido detetado em 1958 no seguimento de dois surtos de uma doença semelhante à varíola que ocorreram em colónias de macacos mantidos em cativeiro para investigação - daí o nome "monkeypox" ("monkey" significa macaco e "pox" varíola).

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de