Congressistas democratas americanos querem revogação do visto de Bolsonaro

Os membros democratas do Congresso norte-americano consideram que o país não deve permitir que Bolsonaro "encontre refúgio nos EUA para escapar à justiça".

Congressistas democratas defenderam na quinta-feira junto do presidente Joe Biden a revogação do visto do ex-presidente brasileiro Jair Bolsonaro, que está no Estado da Florida, por recusarem que os EUA lhe sirvam de refúgio.

"Não devemos permitir que Bolsonaro ou qualquer outro antigo dirigente brasileiro encontre refúgio nos EUA, para escapar à justiça, por qualquer eventual crime cometido durante o seu mandato", escreveram os 41 eleitos, todos do Partido Democrata, em carta aberta dirigida a Biden, divulgada na quinta-feira.

Apelaram também a que a Casa Branca "cooperasse plenamente com qualquer inquérito do governo brasileiro, se tal for solicitado" e verificasse o estatuto legal nos EUA de Bolsonaro, que chegou ao território norte-americano enquanto chefe de Estado.

Os eleitos pretendem também que o Departamento de Justiça investigue eventuais "apoios ou financiamentos" provenientes dos EUA aos crimes violentos de 8 de janeiro, referindo-se à invasão e ao saque nesse dia de três locais de poder emblemáticos de Brasília por apoiantes do antigo presidente Bolsonaro.

Estes acontecimentos vieram relembrar os do assalto ao Capitólio, em 6 de janeiro de 2021.

O antigo presidente, de extrema-direita, tinha saído do Brasil para a Florida dois dias antes da investidura presidencial de Lula da Silva, em 1 de janeiro. Tem estado a residir no domicílio de um antigo combatente de MMA (sigla em Inglês para artes marciais mistas) brasileiro.

No último domingo foi admitido em um hospital por um problema intestinal, de onde saiu na noite de terça-feira.

A sua permanência na Florida coloca os EUA em posição relativamente embaraçante, ao fazer recordar precedentes acolhimento de ex-dirigentes latino-americanos controversos.

Questionado na quarta-feira, o secretário de Estado, Antony Blinken, declarou que os EUA não tinham recebido qualquer pedido do Brasil relativo a Bolsonaro.

Biden já convidou o seu homólogo brasileiro a visitá-lo, em Washington, no início de fevereiro.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de