COP26 chega a acordo para acelerar luta contra a mudança climática

Discussão da declaração final da cimeira do clima da ONU dividiu-se entre países como Índia e China.

Cerca de 200 países reunidos na cimeira do clima (COP26) adotaram, este sábado, o Pacto de Glasgow para acelerar o combate às mudanças climáticas e traçar as bases de um futuro financiamento, mas sem garantir o objetivo de limitar o aquecimento global a +1,5°C. A aprovação final do texto, após duas semanas de difíceis negociações, foi selada com um golpe de martelo do britânico Alok Sharma, que presidiu as negociações.

No final do debate houve uma alteração de última hora proposta pela Índia que suaviza o apelo ao fim do uso de carvão.

A proposta foi feita pelo ministro do Ambiente indiano, Bhupender Yadav, que no plenário de encerramento pediu para mudar a formulação de um parágrafo em que se defendia o fim progressivo do uso de carvão para produção de energia sem medidas de redução de emissões.

A Índia quis substituir o fim progressivo - "phase-out" por uma redução progressiva - "phase down" -, uma proposta que foi aceite com manifestações de desagrado de várias delegações, como a Suíça, e a União Europeia, e ainda de países mais vulneráveis às alterações climáticas.

Quis ainda acrescentar ao parágrafo o "apoio aos países mais pobres e vulneráveis em linha com as suas circunstâncias nacionais".

O vice-presidente da Comissão Europeia, Frans Timmermans, interveio para dizer que "o carvão não tem futuro", frisando que "a União Europeia queria ir ainda mais longe em relação ao carvão, consequência da sua própria experiência dolorosa".

Expressando "desilusão" com a proposta indiana e salientando que continuar a apostar no carvão como fonte de energia não é economicamente viável, saudou no entanto a "histórica decisão" que considerou ser a declaração final.

A proposta foi aprovada pelo presidente da cimeira com uma inusitada comoção, em que Alok Sharma afirmou de voz embargada "lamentar profundamente a forma com este processo decorreu".

"Percebo o vosso desapontamento, mas como notaram, é vital que protejamos este pacote" de decisões, declarou.

A ministra do Ambiente suíça, Simonetta Sommaruga, salientou que o texto adotado sai "ainda mais enfraquecido" e que "não é preciso reduzir mas acabar" com o uso de carvão.

Criticou a forma como a alteração foi introduzida, mas afirmou que o grupo da Integridade Ambiental, que inclui a Suíça e cinco outros países, "não quer arriscar sair de Glasgow sem uma decisão".

Líderes políticos e milhares de especialistas, ativistas e decisores públicos estiveram até este sábado reunidos em Glasgow, na Escócia, na 26.ª Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas (COP26) para atualizar os contributos dos países para a redução das emissões de gases com efeito de estufa até 2030.

A COP26 decorre seis anos após o Acordo de Paris, que estabeleceu como meta limitar o aumento da temperatura média global do planeta a entre 1,5 e 2 graus celsius acima dos valores da época pré-industrial.

Apesar dos compromissos assumidos, as concentrações de gases com efeito de estufa atingiram níveis recorde em 2020, mesmo com a desaceleração económica provocada pela pandemia de Covid-19, segundo a ONU, que estima que, ao atual ritmo de emissões, as temperaturas serão no final do século superiores em 2,7 ºC.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de